Por Eliabe Castor

Antes de falar da Paraíba, do governador João Azevêdo e do prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima, além dos seus respectivos decretos para conter o avanço da Covid-19, preciso citar a Grécia antiga, considerando-a berço da civilização ocidental. Foi lá que surgiram as primeiras ciências como história, filosofia e matemática. Desde pequenas, as crianças já eram educadas pelos mais sábios gregos, aprendendo sobre a história das civilizações.

Também a astronomia, música e teatro. Tudo foi formado por invasores de diversas etnias e culturas, fato este que explica toda a miscelânea grega. Dentre esses povos, destacam-se os jônios, os dóricos e os eólios.

Durante a antiguidade, a Grécia era dividida em cidades-estado. Cada uma delas, por sua diversidade cultural. Tinham autonomia e sua própria forma de governar. Enquanto Esparta preparava seus jovens para as guerras, Atenas incentivava o intelecto.
Contudo, além das que mencionei, as cidades-estado de Tebas, Creta e Troia também não comungavam da mesma política. Um separatismo que enfraquecia governo e povo. E não pense no filme 300. A separação das cidades-estado as deixou vulneráveis a exércitos estrangeiros.

João, Bruno e as cidades-estado

Pense que há mitos na história. Pense no factual. Na pura verdade dos fatos. Em um dia de cada vez João Azevêdo busca uma liga com as cidades-estado, em especial a “controlada” por Bruno Cunha Lima, que disputa na esfera jurídica uma brecha para não cumprir o decreto estadual emitido pelo governador e dar gás ao seu.

Para a minha pessoa, a melhor opção seria os dois gestores seguirem um mesmo caminho, já que João Pessoa e Campina Grande são os dois maiores pólos para abarcar as vítimas do coronavírus em ambulatórios e UTis destinadas a essa enfermidade. União, em tempos como o atual, é a palavra mágica.

Bruno e João não precisam consultar os oráculos de Delfos a fim de saber que um mais um é sempre mais que dois. E nesse ponto cheguei a uma conclusão óbvia: a vida está acima dos interesses políticos.

E não há nota de A ou B construída por assessores que evite as mortes causadas pelo coronavírus. A campanha, hoje, não é eleitoral e, sim, pela vida.

Quem não entender algo tão óbvio será conivente com o choro de milhares de famílias paraibanas que perderam, ou perderão alguém para um vírus mortal. Pensar de outra forma é pensar pequeno, no mínimo.

Dois bons agentes públicos, Bruno e João precisam chegar numa equação razoável e juntar forças para lutar contra um exército invisível e poderoso. A hora é do diálogo, não de rupturas. É o que a Paraíba espera.

 

Por Eliabe Castor

Notícias relacionadas

CG registra 17 novos casos, 4 óbitos e 25 altas por covid nas últimas 24h

A Secretaria de Saúde de Campina Grande registrou, neste domingo, 17 de abril, 17 novos casos, classificados como positivos de covid, no Município, totalizando 26.993 casos. Nas últimas 24 horas,…

Campina Grande vacina idosos a partir dos 60 anos contra Covid-19 na segunda-feira

Campina Grande vacina a partir desta segunda-feira (180, os idosos a partir dos 60 anos contra Covid-19, que receberão a primeira dose da vacina. A imunização acontecerá em todas as…