As declarações de Henrique Meirelles, novo ministro da Fazenda, que deixou em aberto as possibilidades de reforma na Previdência e retorno da CPMF, geraram repercussão entre dois dos principais apoiadores do impeachment, Paulinho da Força e Paulo Skaf.

 

O deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP) considerou “estapafúrdias” as falas do ministro: “A estapafúrdia ideia defendida pelo atual ministro é inaceitável porque prejudica quem ingressa mais cedo no mercado de trabalho, ou seja, a maioria dos trabalhadores brasileiros. Vale lembrar que o último governo já fez mudanças no regime da Previdência que só resultaram em prejuízos para os trabalhadores”, disse, por meio de nota divulgada pela Força Sindical.

 

Paulinho da Força também aproveitou o espaço para dizer o que espera de Michel Temer, presidente em exercício: “Acreditamos que o atual presidente, Michel Temer, seguirá os caminhos acordados com os trabalhadores e com as Centrais Sindicais nas reuniões realizadas recentemente, de manutenção de direitos e de articulação pelo crescimento do País e pela geração de empregos”.

 

Já Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), afirmou que “ninguém aceita pagar mais impostos”, mas deu voto de confiança ao governo. Skaf disse ser necessário melhorar a gestão e oferecer melhores serviços públicos, pois recursos bem aplicados são investimentos, seja na saúde, educação ou outras áreas.
 

 

IG com Brasil Econômico

Foto: Agência Estado

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Vereador de oposição em CG elogia João e diz que governador é democrático

O vice-líder do prefeito na Câmara Municipal de Campina Grande, vereador Alexandre do Sindicato (PHS), voltou a elogiar o governador João Azevedo (PSB). Em entrevista a Rádio Panorâmica FM, ele…

TSE decide que candidaturas laranjas levam à cassação de toda a chapa

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu na noite de hoje que a presença de candidaturas laranjas para fraudar a cota mínima de candidatas mulheres deve levar à cassação de toda…