A violência contra crianças tem crescido na Paraíba, e deixado a população perplexa e revoltada. Em menos de 15 dias, três casos foram registrados no Estado. O fato mais recente aconteceu no município de Cruz do Espírito Santo, na Grande João Pessoa.

Uma mulher de 28 anos foi detida suspeita de agredir com tapas a filha, uma menina de nove anos. As agressões aconteceram no domingo (21), na casa onde elas moram, no município de Cruz do Espírito Santo, na Grande João Pessoa.

A mulher teria agredido a filha após descobrir áudios da menina a xingando. Quando a suspeita pediu para a criança mostrar os áudios, a menina disse que tinha apagado o conteúdo. Com isso, a mulher deitou a menina em uma cama, subiu nela e começou a dar tapas no rosto e ameaçar a criança.

A suspeita foi localizada nessa quarta-feira (24) e encaminhada à Delegacia, onde prestou depoimento.

As agressões contra menores tem se tornado frequentes na Paraíba, e cresceram desde o dia 11 deste mês quando um menino de sete anos deu entrada no Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande vítima de tortura praticada pelos próprios pais. Ele estava sendo mantido em cárcere privado na zona rural do município de Boqueirão, inclusive acorrentado.

A criança foi encontrada com várias marcas de agressões pelo corpo e em estado de desnutrição. A suspeita é que ela tenha passado quase 40 dias sendo acorrentado e sob maus-tratos. A mãe e o padrasto foram presos como suspeitos de torturarem o menor.

De acordo com a Polícia Civil, Maria Aparecida Souza Silva, mãe da criança, vai ser transferida para o Presídio Feminino de Campina Grande. O companheiro dela, Edilson Cosme Albuquerque, padrasto da vítima, vai ser conduzido à Penitenciária Padrão de Campina Grande.

O laudo finalizado pelo Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (Numol) confirmou que a criança sofria agressões físicas prolongadas e contínuas, o que se configura como tortura.

Já na última quarta-feira (24), uma mulher foi presa suspeita de espancar a filha, uma menina de dez anos, e a sobrinha, criada como uma filha, uma garota de nove anos. As agressões, promovidas com tapas e com uso de cinturões e cabos de vassoura, aconteciam na casa onde elas moravam, em Campina Grande.

Os maus tratos foram descobertas após a professora  de Educação Física das crianças constatar os sinais de violência física e acionar o Conselho Tutelar, bem como a Polícia. As duas vítimas estavam com várias marcas de espancamento por todo o corpo e foram submetidas ao exame de corpo e delito no Instituto de Polícia Científica, onde foi constatada várias lesões corporais.

As imagens das marcas desse espancamento são chocantes

Severino Lopes
PB Agora

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Polícia recupera veículo e prende acusado de latrocínio em CG

Policiais militares do Grupamento de Ações Táticas Especiais (Gate), durante abordagem no bairro do Alto Branco, em Campina Grande, na noite do último domingo (20), apreenderam um revólver calibre 32…

Organizadores de festa em JP com suposta exploração sexual são identificados

Três pessoas foram identificadas ontem (21) como responsáveis pela festa que foi cancelada pela Vara da Infância e da Juventude por suspeita de exploração sexual de adolescentes no bairro do…