A Paraíba o tempo todo  |

Opinião: A prefeitura de João Pessoa dá exemplo positivo à sociedade com o programa “Remédio em Casa”

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

A condução de políticas públicas voltadas à educação e saúde formam os pilares básicos para a eficácia administrativa dos que estão à frente do poder Executivo. E aqui destaco o esmero do prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena (PP), em tornar sua promessa de campanha em algo real. Falo do programa “Remédio em Casa”, que disponibilizará, em domicílio, medicamentos voltados a pessoas hipertensas e diabéticas.

Na prática, além de ser uma política inclusiva às pessoas, principalmente, de baixa renda, torna a vida dos assistidos pelo implemento um apoio extra no que diz respeito à qualidade de vida em vários prismas; seja na esfera econômica, saúde, bem-estar emocional, psicológico, social e físico.

O programa, a ser iniciado entre os meses de setembro e outubro, beneficiará, em sua primeira fase, 60 mil pessoas, havendo um custo de R$ 10 milhões, cujos recursos foram fomentados pela administração municipal em parceria com emendas do deputado federal Aguinaldo Ribeiro e sua irmã, a senadora Daniella Ribeiro, filiados à mesma agremiação partidária de Cícero Lucena.

Em resumo, após 180 dias à frente da prefeitura, Lucena retorna a um antigo projeto, quando foi prefeito da capital entre os anos de 1997 e 2005. Na época, o alcaide disponibilizou o mesmo programa, contemplando 25 mil pessoas. O maior número de beneficiados o programa está diretamente ligado à proporção de habitantes que residem em João Pessoa.

Para ter acesso ao “Remédio em Casa”

Para ser beneficiado pelo programa, o cidadão precisa ser cadastrado na Unidade Básica de Saúde, estar diagnosticado e fazer o acompanhamento pela equipe de Saúde da Família. A entrega será adequada a cada paciente, podendo ser mensal, trimestral ou semestral, dependendo do caso.

Eliabe Castor
PB Agora

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe