Estimativa atual do Inca (2018/2019) aponta 600 mil novos casos da doença no País

O ambulatório de Dermatologia do Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW-UFPF/Ebserh), da Universidade Federal da Paraíba e vinculado à Ebserh, abre as portas neste sábado (7) para mais um mutirão de prevenção e diagnóstico do câncer de pele. O esforço concentrado começa às 8h30 e faz parte da campanha Dezembro Laranja. A iniciativa é capitaneada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), sendo coordenada no HULW pelo dermatologista Mohamed Azzouz.

O câncer de pele é o tipo mais frequente no Brasil e no mundo. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a incidência atual (2018/2019) é de 600 mil novos casos entre os brasileiros. Na Paraíba, a estimativa mais recente apontava que 2.650 pessoas seriam diagnosticadas com a doença em 2018, sendo 60 casos de câncer de pele melanoma e 2.590 de câncer de pele não melanoma.

“As pessoas que apresentam algum tipo de lesão ou mancha suspeita podem ir diretamente em alguma das instituições que participam da campanha, sem necessidade de agendamento prévio para serem atendidas”, explica a dermatologista do HULW Renata Rodrigues, que é coordenadora estadual da campanha e presidente regional da SBD na Paraíba. “A intenção é alcançar o maior número de pessoas possível”, reforça a especialista.

Além do HULW, fazem parte do mutirão, em nível estadual, o Hospital Universitário Alcides Carneiro (HUAC), em Campina Grande, e a Faculdade de Medicina Nova Esperança (Famene), em João Pessoa. No Hospital Lauro Wanderley, 30 dermatologistas atenderão em dois horários: das 8h30 às 10h30 e das 10h30 às 12h30.

A SBD promove o Dezembro Laranja desde 2014, com o objetivo de estimular a prevenção e o combate ao câncer de pele. Neste sábado (7), principal dia da campanha, cerca de 4 mil médicos dermatologistas e voluntários prestarão atendimento gratuito para diagnóstico e tratamento da doença. A expectativa é que 30 mil indivíduos passem pela consulta nos 130 postos espalhados pelo Brasil.

 

Assessoria / HULW

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Estudos sugerem papel de morcegos e cobras na origem do coronavírus

A nova cepa de coronavírus que surgiu na China e já preocupa o mundo pode ter-se originado em morcegos, ou cobras, de acordo com uma análise genética do patógeno que…