O Clipsi Hospital Geral, em Campina Grande, tem um prazo de 10 dias, a partir desta quarta-feira (12), para sanar os principais problemas encontrados pelo Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB), em vistoria realizada na última sexta-feira (7). Durante a fiscalização, a equipe do CRM-PB observou deficiência na assitência médica, com excesso de pacientes sob assistência de apenas um pediatra, falta de médico responsável pela sala de parto, além de não apresentar a escala médica de todos os setores do hospital.

“No momento da vistoria, havia apenas um médico pediatra para assistir nove pacientes na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e treze na Unidade de Cuidados Intermediários Neonatal (UCIN). Já a sala de parto das pacientes do SUS, que tem uma alta demanda, com 21 pacientes no alojamento, não tinha um médico responsável pelo setor. Isso é um risco tanto para os pacientes, quanto para os médicos, que não tem condições de prestarem um serviço adequado”, destacou o diretor de fiscalização do CRM-PB, João Alberto Pessoa.

Ele ainda destacou que vê com preocupação a possível interdição do hospital, já que Campina Grande vem sofrendo com problemas na assistência pediátrica. “Esperamos que no prazo de dez dias a direção do hospital nos apresente as escalas médicas de todos os setores do hospital e se manifeste quanto as demais irregularidades apresentadas no relatório do CRM-PB. A população de Campina Grande precisa de um atendimento médico adequado, principalmente, as crianças”, completou João Alberto. O relatório do Conselho será entregue nesta quarta-feira (12) à direção do hospital, à Secretaria Municipal de Saúde e ao Ministério Público Estadual.

O Hospital Clipsi é o maior hospital particular de Campina Grande, sendo referência para atendimento pediátrico. Além de atender pacientes de convênios e particulares, presta assistência a pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

PB Agora

Deixe seu Comentário