Por pbagora.com.br

Segundo Corte, situação deve perdurar até 2022 a contar de 2014 em diante.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concluiu o julgamento, nesta terça-feira (10), três Ações de Investigação Judicial Eleitoral (Aijes) contra o ex-governador da Paraíba e candidato a prefeito de João Pessoa, Ricardo Coutinho (PSB) e aplicou a pena de inelegibilidade contra o socialista para cumprimento imediato.  O placar foi de 6 votos pela inelegibilidade e apenas 1, do ministro Sérgio Banhos contra.

“Pequenas, mas significativas divergências. 15 e 14 acompanha o relator na integralidade. Já no caso do Empreender-PB, divirjo contra a questão dos empréstimos feitos ao empreender. não há elementos probatórios suficientes para concluir que o aumento estava realmente relacionado com as eleições. Divirjo, nesse ponto, do relator. Fica estrita à declaração de inelegibilidade quanto ao programa Empreender-PB”, disse ele.

Com o resultado, o socialista fica inelegível faltando apenas cinco dias para o primeiro turno das eleições municipais. Já contra a vice-governadora Lígia Feliciano (PDT) o TSE aplicou apenas a multa, e não a inelegibilidade.

Os três processos contra Ricardo Coutinho, referentes aos casos do Empreender-PB, PBPrev e dos servidores codificados, foram colocados para julgamento em bloco.

O ministro Luís Salomão, que havia pedido vistas após o voto do relator, ministro Og Fernandes, decidiu acompanhar o relator em relação às preliminares suscitadas em todos os casos. Ele também acompanhou o relator no que tange às punições de multa e de inelegibilidade.

Já o ministro Edson Fachin acompanhou o voto do relator. “Acompanhando o relator. Já no 200751 peço vênia para divergir em parte do relator para reconhecer a preliminar suscitada. Dando parcial provimento ao recurso de Ricardo Vieira Coutinho para afastar condenação à multa de 60 mil fixada pelo TRE. E, por último, referi-me ao recurso 195470, estou acompanhando o voto do relator. Não acolhida a preliminar, estou acompanhando o voto do relator.”

Também acompanharam o voto do relator os ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso.

EM TEMPO

Apesar da decisão da Corte Eleitoral, os advogados do governador emitiram nota, na noite desta terça-feira (10), declarando que a condenação pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para sua inelegibilidade não afeta a sua candidatura a prefeito de João Pessoa.

Segundo a defesa, o ‘registro de candidatura de Ricardo Coutinho foi deferido pela justiça eleitoral, tendo a decisão judicial transitado em julgado no dia 27/10/2020’.

Leia:

‘A decisão proferida pelo Tribunal Superior Eleitoral nesta terça-feira não afeta candidatura de Ricardo Coutinho à prefeitura de João Pessoa nas eleições do próximo domingo, dia 15 de novembro.

O registro de candidatura de Ricardo Coutinho foi deferido pela justiça eleitoral, tendo a decisão judicial transitado em julgado no dia 27/10/2020, ou seja, essa decisão não pode mais ser cassada ou modificada, de modo que ele permanece, para todos os efeitos legais, firme como candidato a prefeito de João Pessoa.

João Pessoa, 10 de novembro de 2020.

Advogados
Igor Suassuna
Victor Barreto
Leonardo Ruffo’

 

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Banco da Retomada citado por Nilvan conta com recursos que não existem; veja

O candidato à Prefeitura de João Pessoa pelo MDB, Nilvan Ferreira, tem como uma das principais propostas do seu plano de governo a criação do Banco da Retomada que propõe…

Damião Feliciano antecipa 2022: “O nosso lado é o do governador do Estado”

O deputado federal Damião Feliciano evitou antecipar os objetivos do PDT, sigla da qual faz parte, para as eleições de 2022, quando a Paraíba votará para presidente, senadores, deputados estaduais…