O plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu em julgamento, por maioria, nesta madrugada, cassar os diplomas do governador do Maranhão, Jackson Lago (PDT) e de seu vice, Luiz Carlos Porto.

Sugestão do ministro Ricardo Lewandowski foi acatada pelos demais integrantes da corte, no sentido de que a posse da senadora Roseana Sarney (PMDB) e seu vice no cargo só se dará após esgotados todos os recursos – no caso, após a apresentação dos embargos de declaração.

Votaram contra a cassação os ministros Marcelo Ribeiro e Arnaldo Versiani. A favor da cassação votaram os ministros Eros Grau, Fernando Gonçalves, Felix Fischer, Ricardo Lewandowski e o presidente da Corte, ministro Carlos Ayres Britto.

Lago foi acusado de compra de votos e abuso de poder econômico nas eleições de 2006.
 

A ação foi proposta pela coligação de Roseana Sarney (PMDB)

A ação foi proposta pela coligação “Maranhão – A Força do Povo”, que tinha como candidata a senadora Roseana Sarney (então no DEM), derrotada na disputa eleitoral, que acusou o governador de uma série de irregularidades, como a realização de comícios para doação de cestas básicas, assinatura de convênios para transferência de recursos, distribuição de combustível, reforma e construção de residências na periferia em troca de votos, convênios com entidade fantasma, abuso de poder econômico e uso da Secretaria de Comunicação Social para a captação ilegal de votos. As transferências irregulares somariam, segundo a coligação, R$ 280 milhões a 156 municípios.

O voto do ministro Eros Grau, relator do recurso, foi, no mérito, pela cassação dos diplomas do governador e seu vice, Luiz Carlos Porto. O ministro votou no sentido de dar posse à chapa que ficou em segundo lugar no pleito de 2006, encabeçada por Roseana Sarney (hoje no PMDB).

Em dezembro de 2008, o ministro já havia votado a favor da cassação de Jackson Lago e seu vice, por prática de abuso de poder econômico e captação ilícita de votos.

O relator rejeitou o pedido de produção de provas, de inépcia da inicial, de interrogatório de testemunha, de cerceamento de defesa, pedido de exclusão de DVD dos autos e de desentranhamento de documentos do Tribunal de Contas do Estado.

Mérito

O relator mencionou a prisão de um motorista durante um comício no povoado de Tanque, perto da cidade de Imperatriz (a segunda maior do Maranhão), com R$ 17 mil em dinheiro, santinhos, e uma tabela com a preço a ser pago por votos. Ele citou as testemunhas condenadas e afirmou que o fato caracteriza corrupção eleitoral.

O ministro Eros Grau citou o parecer da Procuradoria Geral Eleitoral favorável à cassação de Lago e de seu vice por “desvio de finalidade de convênios firmados com o propósito de fortalecer a candidatura de Jackson Lago, com potencialidade para desequilibrar a disputa eleitoral”.

Defesa

Os advogados de defesa de Jackson Lago sustentaram na tribuna do TSE que não havia provas suficientes das acusações. Eles alegaram que houve cerceamento de defesa e que uma das testemunhas ouvidas contra o governador retificou seu depoimento, afirmando que não vendeu seu voto a Jackson Lago, mas os pedidos de produção de provas feitos por eles acabaram sendo rejeitados pelo relator.

A defesa acrescentou que Jackson Lago não é um político profissional, argumentando que ele não dedicou “sua vida inteira à política, mas é um médico que se entregou à atividade política. E, por isso, não tem poder econômico de que poderia usar”. “Trata-se de alguém que não detém nenhum feudo ou concessões de rádio, sabendo como nós sabemos que é por esse caminho que o comprometimento da livre decisão popular se pode fazer com mais facilidade”, disse um dos advogados, alfinetando a família Sarney, que é dona de emissoras de rádio e de TV no Maranhão.

A acusação relembrou parte da campanha eleitoral de Jackson Lago no município maranhense de Codó, onde houve inauguração de obras públicas. No palanque, disse o advogado de acusação, se assinou mais um dos 1.800 convênios que marcaram a campanha eleitoral.

O advogado salientou ainda a campanha eleitoral feita no município de São José de Ribamar, “onde houve ampla distribuição de cestas básicas”, com a presença do governador, José Reinaldo Tavares, do candidato Jackson Lago, entre outros.

O fato, disse, foi um prenúncio pelo governador José Reinaldo da multiplicação de convênios como arma eleitoral da campanha. “Foi o anúncio do engajamento da estrutura do governo do Estado na campanha de quem fosse o candidato do governo”, finalizou.

Ao se manifestar durante o julgamento que vai decidir sobre o pedido de cassação do governador do Maranhão, Jackson Lago, o procurador-geral eleitoral Antonio Fernando Souza afirmou que o Ministério Público Eleitoral examinou com profundidade e detalhadamente todo o processo, conhece todas as provas e tem consciência das informações.

Com isso, afirmou que está provado que houve a participação da estrutura do estado em favor da candidatura de Jackson Lago e que as provas são suficientes para justificar o pedido de cassação.

Acrescentou que não há demonstração de comprometimento do Ministério Público com quem quer que seja e que o Ministério Público age apartidariamente e cumpre o seu dever de defender a legalidade dos pleitos eleitorais, portanto, sua conclusão é fruto de uma reflexão, de um juízo seguro quanto as ilegalidades existentes.

Finalizou ao afirmar que o MPE está plenamente convencido de que houve fatos graves ilícitos que comprometeram a normalidade, a legitimidade e a lisura do processo eleitoral, o que justifica plenamente a cassação do registro.

O parecer

Em parecer pela cassação dos mandatos de Lago e do vice-governador, Luís Carlos Porto, o vice-procurador-geral eleitoral Francisco Xavier concluiu que Roseana Sarney, vencedora no primeiro turno, perdeu a eleição devido ao volume imenso de convênios e transferências no período vedado por lei.

“Ela não obteve apoio político, mantendo praticamente inalterada sua votação, que antes dera de 1.283.053 votos e passou para apenas 1.295.745 no segundo turno. Os candidatos vitoriosos, por sua vez, obtiveram 1.393.647 votos, o que não chega a constituir grande diferença”, afirmou o procurador, ao defender que a segunda colocada deve assumir.

A defesa de Jackson Lago tentou adiar o julgamento alegando que questões sobre provas deveriam ser resolvidas, como o depoimento de uma testemunha que declarou à Polícia Federal que uma das pessoas que o acusam foi convencida a mentir em troca de vantagem indevida. O pedido foi negado.

No processo, os advogados de Jackson Lago alegaram ainda cerceamento de defesa e afirmaram que somente a partir do fim de 2005 o governo do Maranhão pôde implementar os projetos de alcance social e reforçar os programas municipais, sendo legítima e lícita a realização dos convênios questionados. Além disso, não foram firmados com desvio de finalidade ou com objetivo eleitoreiro.

PB Agora com informações do TSE

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

MPPB quer apurar suspeita de superfaturamento na Prefeitura de Conde

A prefeita do Conde, Márcia Lucena (PSB), poderá ter que enfrentar uma nova investigação, além da Operação Calvário, realizada pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB). O órgão abriu um novo…

Visita de Moro à PB ganha repercussão negativa na Câmara

A visita do ministro da Justiça à Paraíba, no início da semana, também ecoou na Câmara dos Deputados, mas de forma negativa.  O deputado federal Frei Anastácio (PT/PB) usou a…