Iniciada uma nova fase no processo do mensalão, a tarefa de tribunais em 17 Estados do país será ouvir 641 testemunhas de defesa, a tempo de evitar a prescrição de parte dos crimes pelos quais são acusados os integrantes do suposto esquema de desvios de verbas públicas e de compra de apoio político no Congresso Nacional.

 

O STF (Supremo Tribunal Federal) encerra nesta sexta-feira (20) o prazo para que os réus decidam se fazem questão de que testemunhas residentes no exterior prestem depoimentos.

 

 

O maior temor do Supremo, que estima em R$ 19 milhões o custo das oitivas, é de que o envio de cartas rogatórias (necessárias para ouvir testemunhas em outros países) e a tradução dos depoimentos despendam tempo precioso e provoquem a extinção da ação em relação a alguns crimes contra os 39 acusados. O custo é relativo à tradução das mais de 18 mil páginas do processo.

 

 

Até agora, confirmaram a necessidade dessas testemunhas José Dirceu, ex-ministro chefe da Casa Civil do governo Lula, o publicitário Marcos Valério, acusado de ser o operador do mensalão, e José Janene, líder do PP na Câmara dos Deputados na época do escândalo.
 

 

uol

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Romero declara que ainda não sabe se disputará novas eleições em 2022

No último ano de seu mandato, e faltando menos de 12 meses para deixar o cargo, o prefeito Romero Rodrigues (PSD), já planeja o seu futuro político. Romero que antes…

Opinião: Paraíba, um estado de milícias, corrupção e moralidade jogada no lixo

A retidão de um ser humano é medida por seus atos pautados na ética e nos princípios morais que nos garantem o mínimo de civilidade e convivência mútua. E aqui…