Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária.À tribuna, em discurso, senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB).Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Relator na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal, da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 42/2019) que reformula o Pacto Federativo e revoga a Lei Kandir, o senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) disse que está recebendo contribuições dos parlamentares para aprimorar a proposta. A perspectiva dele é de que a PEC, de autoria do senador Antônio Anastasia (PSDB-MG), seja votada nos próximos 15 dias na CCJ e, posteriormente, no Plenário do Senado.

Veneziano relevou que atendeu a um pedido do autor do texto e esticou mais o tempo para que fossem oferecidas sugestões. Como senador municipalista, ele também manifestou a preocupação que tem com os governos estaduais e municipais, para que haja ênfase à recomposição de possíveis perdas resultantes da Lei Kandir.

O texto revoga a isenção de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) das exportações de bens primários, como commodities agrícolas e minerais.  Para o senador Veneziano, suprimir a desoneração do ICMS prevista na Lei Kandir com uma emenda constitucional é a única forma de preservar a autonomia federativa dos estados, já que o Executivo não dispõe de poder de veto sobre as propostas de emenda.

O parlamentar lembrou que há um acordo, desde o início da legislatura, no colégio de líderes, de que qualquer matéria não chegará ao plenário sem que, antes, pelo menos uma comissão dê o seu posicionamento. Ao explicar detalhes da PEC, ele disse que é preciso levar em conta cada uma das sugestões para poder tentar chegar a bom termo.

“Temos a questão da balança comercial. Por exemplo, é indiscutível que nós tenhamos em conta a grande importância, depois da implementação dessa política tributária de estímulo ao agronegócio, os seus resultados. Isso é um ponto relevante que não pode ser deixado à margem no momento em que nós estamos a discutir uma proposta que prevê o fim dessa política”, declarou Veneziano.

PB Agora

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

JP: vereadores tentam justificar prazo vencido para apresentação da LOA 2020

A proposta da Lei Orçamentária Anual (LOA) 2020, da Prefeitura Municipal de João Pessoa, apesar de já está com prazos vencidos de apresentação na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP),…

Presidente da Aesa descarta volta do racionamento em Campina Grande

Apesar da queda no volume de água no Açude Epitácio Pessoa, localizado na cidade de Boqueirão, o presidente da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa),…