Dois dias após promoverem ações em sete Estados e de invadirem um ministério em Brasília, integrantes de movimentos sem terra voltaram a fazer manifestações pelo país nesta quarta-feira. O MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) fez ações em Goiás e Pernambuco, enquanto a Via Campesina invadiu um banco no Rio Grande do Sul.

A ação ocorreu em uma agência do Banco do Brasil em Erechim (362 km de Porto Alegre). Sete integrantes da Via Campesina e do Movimento de Atingidos por Barragem foram presos. Eles impediram por duas horas o atendimento no local e a entrada e saída de clientes e funcionários. A invasão terminou por volta das 15h30 e cerca de 40 militantes foram detidos pela Brigada Militar.

A Via Campesina disse que 120 pessoas participaram e que o banco foi invadido para cobrar dos governos estadual e federal ajuda para pequenos agricultores que tiveram prejuízos com a estiagem no RS.

No interior de Pernambuco, cerca de cem famílias ligadas ao MST –lideradas por mulheres– invadiram um engenho em São José da Coroa Grande (140 km de Recife).

O movimento diz que um sem-terra foi morto na fazenda há cinco anos em conflito com seguranças. O MST reivindica a área, que fazia parte de uma usina que falida em 1988.

O Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) afirmou que uma vistoria preliminar indicou que a propriedade não pode ser destinada à reforma agrária por questões ambientais.

Em Goiânia (GO), integrantes do MST invadiram o prédio da superintendência do Incra. Participaram da ação, segundo o Incra, 80 sem-terra, mas o movimento diz que foram 400 integrantes. Eles cobram o assentamento de famílias acampadas pelo Estado.

A sede do órgão também foi alvo em Alagoas. Cerca de 200 sem-terra ligados ao MLST (Movimento de Libertação dos Sem Terra) do Estado invadiram à tarde um escritório do Incra, em Maceió. O protesto durou cerca de duas horas e o trabalho foi suspenso.

Segundo a Polícia Militar, os manifestantes quebraram portas e placas e deixaram lixo espalhado. O escritório fica em um prédio onde estão instalados também outros órgãos federais. No final da tarde, os sem-terra deixaram o local e voltaram a um acampamento montado em frente ao edifício. A reportagem não conseguiu falar com líderes do MLST.

 

folha online

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Governo promove de 21 e 25 deste mês o 14º Mutirão de Renegociação de Dívidas em Campina

Entre os dias 21 e 25 de Outubro, Campina Grande irá receber o 14º Mutirão de Renegociação de Dívidas, uma iniciativa do Governo do Estado da Paraíba, através do PROCON…

Prefeito de Cabedelo anuncia aumento salarial para os professores

No dia em que se comemora o Dia do Professor – 15 de outubro, a Prefeitura de Cabedelo homenageia a categoria com reconhecimento e valorização profissional. O prefeito Vitor Hugo…