Por pbagora.com.br

O secretário de educação, esporte e cultura de Campina Grande, Flávio Romero, está contestando o percentual de evasão de alunos da rede municipal que está sendo divulgado pelo Ministério Público da Paraíba. Segundo ele, aquele órgão está confundindo alunos que faltam com alunos que abandonaram a escola e está divulgando que a evasão chega a 60%, quando nos últimos anos tem caído drasticamente e em 2009 ficou, em média, em 5,1%.

Flávio Romero explica que durante uma audiência para a assinatura do termo de ajustamento para a implantação de um programa de combate a evasão escolar, realizada no dia 07/07, fez questão de pontuar ao promotor da infância e juventude de Campina Grande, Herbert Targino, que esse dado era de todo improvável porque aluno evadido é aluno que sai da rede. “Evasão é uma forma técnica de falar de abandono, que não conta mais para a rede, que saiu. Não é a mesma coisa de aluno que tem infrequência”, ressalta.

Na oportunidade, o secretário de educação estranhou a informação veiculada pela mídia a partir de uma matéria produzida pela assessoria de comunicação da Curadoria da Infância, dando conta de que a evasão do município de Campina Grande era de 60 %. “Então uma rede municipal que tem 30 mil alunos, se tivesse 60% de evasão significaria dizer que tem 18 mil alunos fora e isso nunca existiu”.

O secretário desconhece a origem da informação que está sendo repassada pelo Ministério Público. Na oportunidade, secretário pediu ao Ministério público que verificasse a origem dos dados para evitar confusão por parte da mídia.

Dados computados pela Secretaria de Educação indicam que em 2008, a taxa de evasão entre os alunos do 1º e 2º ciclos iniciais era de 8,67 e nos 3º e 4º ciclos de 19,4%, numa média de 10,17%. Em 2009, taxa de evasão entre os alunos do 1º e 2º ciclos iniciais caiu para 2,7% e para 18,7% nos 3º e 4º ciclos, numa média de 5,1%.
 

 

Blog do Carlos Magno

Notícias relacionadas

Opinião: Lava Jato só serviu para pôr a extrema-direita no Poder e quebrar o Brasil

Para melhor avaliar o estrago que foi a Lava Jato, basta que se observe o que era o Brasil antes e depois de instituída esta Operação. Tanto do ponto de…

Mesmo sob novo comando, CMCG é criticada por ‘dormir nas suas atribuições’

A mudança de comando na presidência da Câmara Municipal de Campina Grande (CMCG) em nada alterou o andamento do trabalho legislativo. Pelo menos é essa a percepção do vereador Olímpio Oliveira…