Na denúncia oferecida à Justiça na Operação Calvário, o Ministério Público da Paraíba estima que somente o empresário Daniel Gomes da Silva – que fez uma bombástica colaboração premiada – tenha pago mais de 60 milhões de reais em propinas a agentes políticos e públicos do estado.

Daniel era o principal operador da Cruz Vermelha Brasileira do Rio Grande do Sul e do no IPCEP entre 2010 e 2019. “Estima-se que só DANIEL GOMES, ao longo de suas operações com a CVB/RS e com o IPCEP (2010 a 2019), neste Estado, tenha pago mais de R$ 60 milhões de reais, em propina, aos agentes políticos e públicos envolvidos nesta trama, os quais, como se viu, para turvar as ações dos órgãos de fiscalização e persecução, sob o viés de investigações patrimoniais, utilizavam-se (e ainda se utilizam) de técnicas de lavagem de dinheiro (emissão de notas fiscais frias, ocultação de bens em nome de terceiros, criação de empresas instrumentárias, etc.), manietando uma rede de laranjas, membros de uma mesma família”, diz a denúncia.

Veja o post:

https://veja.abril.com.br/blog/radar/operador-teria-pago-mais-de-r-60-milhoes-em-propinas-diz-mp/

Redação com Veja

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Prefeito de Lastro desiste de disputar reeleição e grupo deverá lançar pré-candidatura nas próximas horas

O atual Prefeito de Lastro Athaide Diniz (PSB) anunciou que não irá disputar o mandato a reeleição neste ano de 2020. O comunicado foi inicialmente feito em um grupo de…

Mesmo com foco na disputa pela PMCG, Ana Cláudia pode ir para Câmara Federal

Com foco na disputa pela Prefeitura Municipal de Campina Grande, a secretária de Estado Ana Cláudia, pode vir a conquistar uma vaga na Câmara Federal, compondo o conjunto de parlamentares…