Por pbagora.com.br

Na denúncia oferecida à Justiça na Operação Calvário, o Ministério Público da Paraíba estima que somente o empresário Daniel Gomes da Silva – que fez uma bombástica colaboração premiada – tenha pago mais de 60 milhões de reais em propinas a agentes políticos e públicos do estado.

Daniel era o principal operador da Cruz Vermelha Brasileira do Rio Grande do Sul e do no IPCEP entre 2010 e 2019. “Estima-se que só DANIEL GOMES, ao longo de suas operações com a CVB/RS e com o IPCEP (2010 a 2019), neste Estado, tenha pago mais de R$ 60 milhões de reais, em propina, aos agentes políticos e públicos envolvidos nesta trama, os quais, como se viu, para turvar as ações dos órgãos de fiscalização e persecução, sob o viés de investigações patrimoniais, utilizavam-se (e ainda se utilizam) de técnicas de lavagem de dinheiro (emissão de notas fiscais frias, ocultação de bens em nome de terceiros, criação de empresas instrumentárias, etc.), manietando uma rede de laranjas, membros de uma mesma família”, diz a denúncia.

Veja o post:

Notícias relacionadas

Petista sai na defesa do decreto de Cícero para conter avanço da covid em JP e defende prática religiosa remota

Apesar do PP e PT a nível nacional serem adversários, em João Pessoa pelo menos no tocante a avaliação do decreto do prefeito Cícero Lucena (Progressistas) que restringiu atividades comerciais…

Em nota, ALPB esclarece que ação da PGR não interfere na atual mesa diretora

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) esclarece que a ação direta de inconstitucionalidade (ADI), apresentada pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, no Supremo Tribunal Federal (STF), questionando dispositivo da Constituição…