Por pbagora.com.br

A Polícia Federal afirma já ter a identidade do autor do relatório com denúncias contra o diretor da Agência Nacional do Petróleo, Vitor Martins. O relatório teria saído da própria agência, de acordo com a Polícia Federal, e os autores seriam agentes federais que trabalham na assessoria de inteligência da ANP. O relatório cita supostas irregularidades de Martins e de outras oito pessoas.

 

A Polícia Federal afirma já ter a identidade do autor do relatório com denúncias contra o diretor da Agência Nacional do Petróleo, Vitor Martins. O relatório teria saído da própria agência, de acordo com a Polícia Federal, e os autores seriam agentes federais que trabalham na assessoria de inteligência da ANP. O relatório cita supostas irregularidades de Martins e de outras oito pessoas.

 

Segundo o relatório, Victor é sócio da mulher numa consultoria e teria usado a própria empresa para intermediar o pagamento de R$ 1,3 bilhão de royalties.

O superintendente da Polícia Federal do Rio, Angelo Gioia, confirmou que a investigação sobre o relatório aponta mesmo participação de policiais da inteligência da ANP. A forma como foi feita, no entanto, foi ilegal, de acordo com Gioia. Os agentes teriam violado o sigilo dos investigados e as informações foram levantadas de forma clandestina. A investigação pode ter usado ainda escutas telefônicas ilegais.

Essas informações não estão no inquérito que a polícia mandou para o Ministério Público Federal. De acordo com o superintendente da PF, os autores do relatório vão ser chamados para depor. Seriam pelo menos dois agentes e um delegado.
Assessoria de inteligência

Em nota, a agência nacional do petróleo informou que a assessoria de inteligência foi criada há cinco anos e tem três policiais federais. A Polícia Federal informou que, além de investigar a conduta dos policiais, vai se aprofundar na apuração do conteúdo do relatório.

O valor de R$ 1,3 bilhões, citado no documento como sendo o pagamento de royalties que Vitor Martins estaria intermediando não aparece na relação do que os municípios receberam da ANP nos últimos anos.

Um valor semelhante aparece em outro pagamento referente ao setor de petróleo. Segundo a ANP, seria uma participação especial que o Estado do Rio está tentando receber da Petrobras. O governo estadual recorreu à agência, e conseguiu o apoio de Vitor Martins. A Petrobras decidiu, então, entrar na Justiça questionando a quantia.

 

Outro lado

A ANP já afirmou, em nota, que é impossível um diretor sozinho direcionar decisões sobre royalties.

A Controladoria Geral da União, que fiscaliza todos os órgãos federais, informou que já havia verificado a distribuição de royalties, a pedido da Polícia Federal. Na época, não foi constatada nenhuma irregularidade.
 

A CGU ampliou e aprofundou o exame da metodologia e do sistema de cálculo da distribuição de royalties, no entanto. Por causa das denúncias, a controladoria vai dar prioridade a essa investigação.

O diretor da ANP, Vitor Martins, já negou, em nota, todas as acusações. Ele disse que está afastado da gestão da consultoria desde que assumiu o cargo na agência e que não assinou nenhum contrato com qualquer prefeitura ou empresa.

 

 

G1

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Análise – A ideia de Ricardo Barbosa é muito boa e deveria ser adotada em território nacional

A ideia do deputado estadual Ricardo Barbosa, de impor restrições de direitos àqueles que não tomarem a vacina contra o coronavírus é ótima. Das melhores, dentre tantas outras que vieram…