Se mostrando contrário a dissolução de alguns municípios, proposta apresentada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL), o deputado estadual Tião Gomes (Avante) disparou críticas à medida na manhã desta quinta-feira (14).

O parlamentar chamou Bolsonaro de “louco” caso ele venha a dar prosseguimento ao projeto que considera irresponsável e disse que a Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) irá realizar uma audiência para debater o tema.

“Esse cara é louco porque partindo do princípio de acabar com os municípios, ele não conhece o que é uma cidade como Algodão de Jandaíra, o que é uma Sossego, o que é Casserengue e como mudou a vida desse povo nesses últimos anos quando passaram de distritos para municípios. Nós criamos aqui nessa Casa mais de 50 municípios e todos eles hoje vivem bem economicamente, tem emprego, tem bancos, asfalto, a vida mudou. Tornar esses municípios distritos, porque é o que Bolsonaro quer, é uma vergonha e irresponsabilidade grande” declarou.

Tião ainda disse que a população brasileira, em especial a paraibana está de olho nos parlamentares que serão favoráveis ou contrários ao projeto e que acredita que com essa proposta, Bolsonaro tentou desviar a atenção de outro projeto.

“Nenhum deputado de bom senso vai votar a favor de uma desgraça dessa. O povo tá olhando quem vai ser contra e quem vai votar a favor. É uma questão só para encher linguiça acho que o presidente quer desviar a atenção de algum projeto e usou isso e mais nada” concluiu.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“Moro perdeu a viagem. Veio à PB tentar pressionar o judiciário”, diz Anísio Maia

A decisão tomada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) de manter o ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) em liberdade foi comentada pelo deputado estadual Anísio Maia (PT-PB) que lembrou…

“Faz parte do processo democrático”, diz coordenador do Gaeco sobre liberdade de RC

O promotor Octávio Paulo Neto, coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) na Paraíba, comentou a recente decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que…