A Paraíba o tempo todo  |

Queiroga discursa em clima de campanha para Bolsonaro e ataca governadores

Em clima de campanha para as eleições de 2022, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, acompanhou o presidente Jair Bolsonaro, ontem (21/10), durante a inauguração da última etapa da obra de integração do Rio São Francisco, na Paraíba, e abriu os discursos do evento com ataques aos governadores. Queiroga aproveitou para exaltar o próprio trabalho à frente do Ministério da Saúde.

“Já são mais de 320 milhões de doses de vacinas distribuídas para a nossa população. No passado, um consórcio de governadores disse que ia trazer vacinas (ao país). Quantas vacinas eles trouxeram? Nenhuma. Todas as vacinas foram trazidas pelo governo do presidente Bolsonaro, e as vacinas só tem um dono: o povo do Brasil”, bradou ao público presente.

Além de atacar os governadores, que desde o início da pandemia da covid-19 demonstram insatisfação com a maneira em que o governo federal enfrentou o novo coronavírus, o ministro fez críticas ao governo do PT. “O que aconteceu antes, de 2008 a 2018, e vocês sabem quem estava à frente do governo, fecharam 40 mil leitos de hospitais em todo o Brasil. E nós, o governo Bolsonaro, o que fizemos: abrimos leitos de UTI, equipamos esses leitos com respiradores, trouxemos oxigênio, medicamentos para o kit de intubação. Para vocês terem uma ideia, tínhamos 22 mil leitos de UTI; hoje, temos 42 mil leitos”, afirmou.

Ele voltou a falar na liberdade do povo brasileiro perante às políticas públicas de saúde. No entanto, não citou a vacinação contra a covid-19. O governo sempre defendeu que a vacinação não seja obrigatória, mas desde que estados e municípios passaram a adotar o passaporte da vacina como uma forma para incentivar a imunização dos brasileiros, o governo tornou o discurso ainda mais enfático na defesa da liberdade dos indivíduos.

“(O governo Bolsonaro) Tem compromisso com a liberdade, a liberdade das pessoas acessarem livremente as políticas de saúde”, reforçou Queiroga.

Destacando a si próprio, o cardiologista disse que o presidente Bolsonaro chamou ele, um paraibano, para “ajudá-lo a vencer a pandemia da covid-19”. “E nós estamos cumprindo a missão que o presidente nos deu. Há cerca de 7 meses, tínhamos uma média móvel de óbitos superior a 3 mil casos por dia e, hoje, cumprindo as determinações do presidente da República, nós diminuímos 90% do número de óbitos”, disse.

Da Redação com Correio Brasiliense

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe