Na certeza de que não terá o PMDB por inteiro, embora lute pela parceria oficial que vai lhe garantir cerca de cinco minutos a mais na programação eleitoral gratuita, o PT investe na estratégia de fincar estacas nos Estados onde a aliança com a legenda é mais fácil.

A antecipação da negociação é para garantir desde já palanques regionais fortes para a ministra da Casa Civil e pré-candidata, Dilma Rousseff. Para construir uma candidatura que terá de enfrentar um adversário de peso e temido pelos petistas – o governador de São Paulo, o tucano José Serra -, o PT poderá abrir mão de disputar governos estaduais e cadeiras no Senado em favor dos acordos com os aliados.

congresso em foco

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Especialista critica excesso de partidos na Paraíba: “Termina prejudicando”

O cientista político Lúcio Flávio Vasconcelos, doutor em história política pela Universidade de São Paulo (USP) e professor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), afirmou, em entrevista a imprensa esta…

Vereadora afirma que “pessoal de esquerda só pensa em sexo”

Os intensos debates entre as vereadoras Eliza Virgínia (PSDB) e Sandra Marrocos (PSB), que acontecem com frequência na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), ganharam mais um episódio nesta terça-feira…