Tramita na Câmara a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 324/09, do Senado, que determina que a presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) será exercida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e, na sua ausência, pelo vice-presidente do STF.

 

A proposta define também que caberá ao presidente do Supremo votar no caso de empate nas questões apreciadas pelo órgão. Hoje quem dá o chamado voto de Minerva é o ministro do STF que integra o CNJ.

 

Autor da proposta, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) ressalta que, no regime atual, qualquer um dos onze ministros do STF pode ser indicado para compor e presidir o CNJ. Nesse período, ele não pode ser indicado para relatar processos em tramitação no Supremo.

 

Se aprovada a PEC, explica o senador, somente dois membros do STF serão excluídos da distribuição de processos em tramitação no Supremo – o presidente e o seu substituto, “favorecendo a celeridade processual”.

 

Outra alteração prevista pela PEC é o fim do limite de idade para os membros do CNJ, que hoje devem ter mais de 35 e menos de 66 anos.
 

camara.gov

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Opinião: polarização marcará eleições de 2020, pondo o povo numa ‘guerra’ que não é dele

As eleições de 2020 na Paraíba terão sabor e cheiro de polarização política. Uma postura maléfica para o estado e, claro, a todos os eleitores interessados em boas propostas relativas…

DEM reforça que portas do partido estão abertas para receber governador

O presidente estadual do DEM, deputado federal Efraim Filho, disse que o partido está de portas abertas para acolher o chefe do Executivo Estadual. Em entrevista à Rádio Panorâmica FM,…