Só falta excomunhão. Foi o que declarou o Padre Nilson Nunes, de Araruna, atual Secretário Executivo de Desenvolvimento Humano do governo Maranhão III assim que descobriu que a proibição imposta pelo bispo Dom Lucena, que o impediu de celebrar missas por ter aceitado o cargo, serve para o mundo inteiro.
“Tirar a missa de um padre e estender a proibição para fora do Estado é uma medida muito extrema”, declarou o padre em entrevista ao PB Agora.

Segundo ele, o bispo Dom Lucena, que não aceitou a indicação do padre para Maranhão III, exagerou na dose. Bastaria apenas, disse ele, que a proibição não atingisse as missas de domingo. O bispo considerou incompatível o exercício do sacerdócio com o cargo no Executivo.

“Mas o meu cargo é exatamente de poder trabalhar pelos mais humildes e carentes. Além do que temos exemplos de sacerdotes que estão ocupando cargos públicos, a exemplo de Frei Anastácio (superintendente do Incra) e padre José Ivanildo (terceira região de ensino de Campina Grande) sem sofrer nenhuma punição neste sentido”, declarou o religioso.

PB Agora

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Reforma da Previdência: Daniella e Maranhão votam a favor; Veneziano contra

Por 60 votos a favor e 19 votos contrários, o plenário do Senado Federal aprovou na noite de ontem, terça-feira (22), em segundo turno, o texto-base da reforma da Previdência…

Opinião: Eliza estimula suicídio e recrimina discussão sobre violência contra mulher

O cuidado quando se escreve sobre algo ou alguém requer, antes de tudo, certa parcialidade, pois entendo que ser imparcial por completo é algo fantasioso e humanamente impossível de ser…