Só falta excomunhão. Foi o que declarou o Padre Nilson Nunes, de Araruna, atual Secretário Executivo de Desenvolvimento Humano do governo Maranhão III assim que descobriu que a proibição imposta pelo bispo Dom Lucena, que o impediu de celebrar missas por ter aceitado o cargo, serve para o mundo inteiro.
“Tirar a missa de um padre e estender a proibição para fora do Estado é uma medida muito extrema”, declarou o padre em entrevista ao PB Agora.

Segundo ele, o bispo Dom Lucena, que não aceitou a indicação do padre para Maranhão III, exagerou na dose. Bastaria apenas, disse ele, que a proibição não atingisse as missas de domingo. O bispo considerou incompatível o exercício do sacerdócio com o cargo no Executivo.

“Mas o meu cargo é exatamente de poder trabalhar pelos mais humildes e carentes. Além do que temos exemplos de sacerdotes que estão ocupando cargos públicos, a exemplo de Frei Anastácio (superintendente do Incra) e padre José Ivanildo (terceira região de ensino de Campina Grande) sem sofrer nenhuma punição neste sentido”, declarou o religioso.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Ruy Carneiro cobra fim da mordomia para filhas de ex-deputados

Com indignação, o deputado federal Ruy Carneiro defendeu nesta segunda-feira (20) o fim imediato dos pagamentos de pensões a 194 filhas solteiras de ex-parlamentares e ex-servidores da Câmara dos Deputados,…

Veneziano defende concurso público para a previdência

Ao analisar a recente decisão do presidente Jair Bolsonaro de contratar militares da reserva para tentar diminuir o ‘apagão’ nos serviços do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) no Brasil,…