A Paraíba o tempo todo  |

Opinião – Enfim, uma boa ação de Bolsonaro: o financiamento de casa própria para policiais

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

Finalmente, o presidente Jair Messias Bolsonaro fez algo digno de registro: criou uma linha de crédito para financiar a casa própria para policiais civis, militares e bombeiros da área militar.

Jair Bolsonaro, precisamente, assinou na segunda-feira (13) a medida provisória que cria um programa habitacional com subsídios para agentes de segurança pública. O texto cria condições diferenciadas para policiais, bombeiros, agentes penitenciários, peritos e guardas municipais contratarem crédito imobiliário.

Quem conhece bem Bolsonaro está dizendo por aí que esse programa não passa de um mimo aos operadores da segurança pública – principalmente policiais militares – com a intenção de seduzi-los como apoiadores em futuras ações golpistas.

É algo preocupante, se for este o propósito. Mas não haverá golpe, podem ter certeza. Vontade tem de sobra; condições, nenhuma. Então, esquece e deixa o pessoal da segurança elevar um pouco o seu padrão de moradia. No final, quem sai ganhando é uma categoria sofrida e sobre a qual recai todas as mazelas e desacertos da sociedade.

É provável, mesmo, que Bolsonaro tenha dado essa jogada, Mas, mesmo assim, não tira totalmente o mérito da iniciativa presidencial, que irá contribuir para uma categoria que, em sua esmagadora maioria, é competente, tem consciência do seu papel relevante na sociedade, o de garantir a ordem, e não se sujeitará a tão ridículo papel.

Bom, esperamos que não.

À semelhança de outras categorias profissionais, sobretudo no tocante à  moradia, a situação é vexatória. Um grande número deles é obrigado a morar lado a lado com o bandido, correndo sério risco de uma ação contra a sua integridade física, da parte do inimigo vizinho.

Não se trata, em absoluto, de preconceito contra pobres que habitam áreas habitadas por pessoas carentes. Não é isso. Mas de uma realidade nua e crua: policiais que moram em comunidades que são totalmente controladas por bandidos, porque o Estado se ausenta de suas responsabilidades e o malfeitor toma conta do pedaço. Nestes casos, o policial, com salário aquém de suas necessidades, não tem como optar por morar em outro local, muito menos numa casa própria.

Nas polícias militares os salários são extremamente baixos. Só começam a melhorar a partir de uma determinada patente. Para os estrelados – sobretudo capitães e coronéis -, a grana corre frouxa, ou seja: na medida em que o militar deixa de ser operante e se aproxima da sala refrigerada é premiado com salário alto, enquanto o soldado, o cabo, o sargento, o tenente, que sofrem feito a gota, trocando bala com bandido, vivem com o orçamento doméstico no vermelho.

Nada mais oportuno – e, sobretudo, merecido – do que possibilitar que estas categorias possam ter a sua casa própria, com moradias dignas e mais confortáveis.

O “mito” acertou uma, afinal…

Ciclovias

Projeto da Senadora Nilda Gondim busca impulsionar a implantação de ciclovias nas rodovias estaduais e federais. O objetivo é promover acesso a trechos de rodovias federais e estaduais onde existe demanda de tráfego de ciclistas, a fim de garantir mais segurança e infraestrutura adequada ao transporte por bicicletas. 

Para tanto, o projeto altera a Lei da Mobilidade Urbana para determinar que as competências dessa lei também se apliquem ao planejamento, fiscalização e implantação de infraestrutura cicloviária de caráter intermunicipal, interestadual ou internacional.

Segundo o texto submetido à apreciação no Senado Federal, o Subsistema Rodoviário Federal compreenderá todas as rodovias e infraestruturas cicloviárias administradas pela União, direta ou indiretamente, cabendo à União implantar infraestrutura para ciclovias nos trechos sob sua responsabilidade que tenham tráfego expressivo de ciclistas, ou que apresentem forte potencial de realização de deslocamentos por bicicletas.

Wellington Farias
PBAgora

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe