Por pbagora.com.br

O processo de delação premiada à luz dos princípios constitucionais é válido, mesmo havendo embate hercúleo na seara dos juristas quanto a sua própria legalidade. E aqui, claro, não entrarei no mérito das discussões. A minha pretensão é observar a gravidade das conversas envolvendo o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) e o ex-mandatário da Cruz Vermelha, Daniel Gomes, delator na Operação Calvário.

Em áudio vazado e amplamente divulgado pela imprensa local e nacional nesta quinta-feira (09), há um diálogo envolvendo o ex-chefe do Executivo Estadual e Daniel Gomes. Assuntos diversos são tratados, dentre eles a possibilidade de Coutinho sair, à época das eleições de 2018, candidato a senador da República.

Ricardo rechaça a possibilidade, entende os riscos de tal decisão, e põe suas esperanças em um suposto “aporte” de Daniel Gomes depois que sair do cargo. Diz um trecho da conversa: “Depois que eu sair eu vou querer uma cobertura…”, para em seguida ouvir do ex-executivo da Cruz Vermelha: “Claro!”.

E seria leviano da minha parte buscar “adivinhar” o significado de “aporte”, mas presume-se uma segurança. Algo que garanta à pessoa uma solidez. Para tanto, busco o Dicionário Online de Português: “Subsídio; qualquer tipo de auxílio que se destina a um propósito específico: aporte financeiro, social, literário, científico”.

Agora, ouvido todo o áudio, faz-se evidente que a defesa de Ricardo Coutinho, com todas as suas prerrogativas garantidas por lei, buscará desqualificar o teor dos áudios. Sua legalidade; se estão editados para prejudicar o ex-governador e outros expedientes que a sociedade conhece, a partir das estratégias de réus e denunciados na Operação Lava Jato e suas múltiplas derivações.

Contudo, algo é ponto pacífico. Uma delação baseada em palavras advindas de uma só fonte, como a da ex-secretária de Administração, Livânia Farias, é algo que tratei no início do texto. Cabem debates jurídicos quanto à sua própria legalidade. Mas um áudio envolvendo delator e delatado é mais complexo de ser questionado pela defesa do acusado.

E nesse gigantesco novelo envolvendo o Minotauro, Minos de Creta, o herói Teseu e sua amada Ariadne, fato é que no diálogo vazado Daniel Gomes fala, de forma incisiva, não conhecer o governador João Azevêdo, estando seu compromisso efetivo com Ricardo Coutinho.

“É claro que torço muito que João ganhe. Eu nem conheço o João. Não tenho relação com ele. Primeiro minha relação é contigo”. Em suma: o governador está raciocinando de forma correta. Buscando “tocar” o estado, estando seu nome noutra esfera bem diferente da “bolha” chamada Calvário. E ele está correto, pois a Paraíba não pode ficar em situação de acefalia.

 

Eliabe Castor
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

MP acata denúncia contra prefeito de Areia por suposta fraude em licitação de combustíveis

O Ministério Público através da Promotoria de Justiça e Curadoria do Patrimônio Público investiga denúncia dos vereadores que aponta suposta prática de atos de improbidade administrativa cometidos pelo prefeito de…

Executiva do PT de JP cancela live onde se pronunciaria sobre candidatura de Anísio

Após o diretório nacional do PT desistir de apoiar a candidatura de Anísio Maia (PT) para a Prefeitura Municipal de João Pessoa, executiva municipal do Partido anunciou que realizaria nesta…