Por pbagora.com.br

O ex- senador Ney Suassuna não conseguiu reverter a decisão de primeira instância que negou indenização por danos morais por reportagens publicadas no jornal Correio Braziliense. A 2ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal também negou o pedido do ex-senador. Cabe recurso.

Suassuna entrou com a ação em 2006, época em que ainda era senador. Afirmou que o jornal publicou, no dia 18 de maio de 2006, reportagem de cunho político com a intenção de denegrir sua imagem junto aos eleitores.

O juiz da 2ª Vara Cível de Brasília negou o pedido do ex-senador. Ele entendeu que não existiu na reportagem qualquer acusação direta de ilícito. Para o juiz, a expressão usada pelo jornal para descrever Ney Suassuna, “malabarista nato”, não significa ofensa, pois pode ser usada como elogio ou como ofensa.

Em relação ao avanço patrimonial e à referência ao indiciamento na “Operação Sanguessuga, descritas pelo jornal, o juiz entendeu que a reportagem reflete o que consta nas declarações de renda do ex-senador e nas investigações que levaram à denúncia do Ministério Público. “A presunção constitucional de inocência não afeta a função de informar da notícia. Em se tratando de pessoa pública, a forma de interpretação das notícias deve ser atenuada, sob pena de se omitir dos cidadãos os fatos relevantes de nosso país”, disse o juiz.

O ex-senador afirmou, na petição inicial, que a reportagem intitulada “Suassuna e sua turma” continha informações incompletas, expressões ofensivas, injuriosas e sem compromisso com a verdade. De acordo com Suassuna, “tem sido praxe a utilização da mídia e dos meios de comunicação em geral para denegrir a imagem de agentes políticos em ano de eleição”.

A reportagem fala dos “assessores e sócios da pesada” do então senador, do “talento” em escapar de confusões e usa a expressão “malabarista nato” para se referir a Suassuna. O texto também faz alusões ao seu patrimônio. Afirma que, na década de 70, constituía-se de um Chevette usado. Segundo o jornal, em 2002, quando o senador abriu uma conta em um banco na Flórida, teria declarado o valor patrimonial de R$ 5 milhões.

O jornal se defendeu, invocando a liberdade de manifestação do pensamento e da informação, garantida pela Constituição. Disse, ainda, que não constitui abuso a reprodução de relatórios, pareceres, decisões ou atos proferidos pelos órgãos das Casas Legislativas nem a crítica inspirada pelo interesse público, quando não demonstrada a má-fé, nos termos do artigo 27 da Lei de Imprensa.

Com informações da Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça do Distrito Federal.
 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Nem Camila nem Tovar: caberá Cabo Gilberto liderar oposição na ALPB

Chegou ao fim o imbróglio envolvendo a quem caberia comandar a bancada de oposição na Assembleia Legislativa da Paraíba após a saída dos deputados Raniery Paulino (MDB), que era o…

Negado provimento ao agravo que pedia a nulidade de assembleia de servidores estaduais

O desembargador José Ricardo Porto indeferiu o pedido de nulidade da Assembleia Geral Extraordinária realizada pelo Sindicato dos Servidores do Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores do Estado da…