O Senado pagou pelo menos R$ 6,2 milhões em horas extras para 3.883 funcionários em janeiro, mês em que a Casa estava em recesso e quando não houve sessões, reuniões e nenhuma atividade parlamentar, informa reportagem de Adriano Ceolin e Andreza Matais, publicada nesta terça-feira pela Folha.

A autorização do pagamento foi feita pelo senador Efraim Morais (DEM-PB) três dias antes de ele deixar o comando da primeira-secretaria, órgão da Mesa Diretora responsável pela gestão administrativa.

Além da hora extra, a direção da Casa concedeu reajuste de 111% no benefício. O teto subiu de R$ 1.250 para R$ 2.641,93.

Outro lado

Presidente do Senado até janeiro, quando foi dada a ordem para o pagamento das horas extras, o senador Garibaldi Alves (PMDB-RN) disse que não foi consultado sobre a medida e que iria tomar satisfação do senador Efraim Morais (DEM-PB). “Eu não estava sabendo. Realmente não sei como justificar isso”, afirmou.

Para o senador Tião Viana (PT-AC), primeiro vice-presidente da Casa até janeiro, o que ocorreu “é muito grave”. Ele disse que irá averiguar se os funcionários do seu gabinete pessoal foram beneficiados para tomar providências.

“Isso não poderia ter ocorrido porque não houve trabalho extra em janeiro e não poderia ter havido pagamento”, afirmou.

Folha Online

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Análise: G11 se reaproxima de Azevêdo e projetos do governo tramitarão de forma mais célere na AL

O período momesco parece ter arrefecido os ânimos dos deputados estaduais que compõem o chamado G11, grupo de parlamentares com certa autonomia ao Palácio da Redenção, embora esteja no bloco…

Opinião: com a soltura de Gilberto Carneiro, prevaleceu o “efeito dominó” jogado pelos bons advogados

A minha pessoa não foi surpreendida com a decisão da ministra Laurita Vaz, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em conceder liberdade ao ex-procurador do Estado, Gilberto Carneiro, preso em…