A Paraíba o tempo todo  |

Na Paraíba, presidente nacional do PSOL rejeita Alckmin como vice de Lula e veta aliança com MDB de Veneziano

O presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros, rechaçou, durante entrevista ao programa Arapuan Verdade, na tarde desta quinta-feira (24), a tese de uma possível indicação do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, mesmo ele estando no PSB, como vice do ex-presidente Lula na corrida presidencial nas eleições desse ano por conta da ausência de uma autocrítica, até agora, sobre as ‘chagas’ que atormentaram o país nos últimos anos.

De acordo com ele, Alckmin até agora não mostrou qual sua opinião sobre a prisão de Lula e outros temas cruciais para a esquerda, como a reforma trabalhista e outras políticas desastrosas para o país.

“Eu não ouvi do Geraldo Alckmin nenhuma autocrítica até agora das posições dele, a favor do impeachment de Dilma, das prisões de Lula, da reforma trabalhista, do teto de gastos, políticas que foram desastrosas no Brasil. A menos que ele uma autocritica dessas posições é sinal que ele ainda defende, e nesse ponto de vista não vejo coerência nenhuma ele ser vice numa chapa que tem como proposito mudar o rumo das coisas”, disse.

O dirigente também rechaçou qualquer possibilidade de apoiar a recondução de Lula à presidência da República caso ele formalize uma aliança com o MDB. A cutucada na legenda também serve para o caso da Paraíba. Ele disse que no estado o PSOL não estará com Venezino (MDB).

“Menos ainda. Onde tiver o MDB nós vamos estar do outro lado da cerca. Não há nenhuma chance de o PSOL estar em nenhum palanque com os golpistas do MDB, com aqueles que sustentaram o governo Michel Temer. Certamente o MDB vai ter lideranças favoráveis a Lula, mas deixo claro que se Lula fizer uma aliança formal com o MDB, o PSL não estará com Lula”, avisou.

Já sobre apoiar o nome do governador João Azevêdo, o dirigente disse que, apesar de ele ser do PSB, se aliou com partidos conservadores, que impedem que essa aliança se concretize.

“Essas alianças tem que expressar o que a gente pensa. No caso da Paraíba isso não aconteça, embora o governador seja do PSB, ele tem uma ampla aliança que engloba vários partidos conservadores, de direita e desse ponto de vista, para nós, fica inviável”.

 

PB Agora

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe