Por pbagora.com.br

A prefeita de Bayeux, Luciene de Fofinho (PDT), está sendo investigada pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB), através da Promotoria de Justiça de Bayeux, por supostamente usar a Secretaria de Meio Ambiente de Bayeux (Semaby) para a contratação de funcionários fantasmas.

De acordo com a denúncia, os servidores fantasmas teriam sido nomeados pela prefeita entre agosto e novembro do ano passado, ou seja, no período eleitoral. Seriam 10 funcionários fantasmas ao todo.

Em resposta ao MP, a Semaby enviou as folhas de frequência da pasta referente a novembro e dezembro, com 13 servidores lotados. Os supostos funcionários fantasmas não estavam entre eles. Luciene de Fofinho, por sua vez, não apresentou defesa no prazo hábil.

Levantamento do MP junto ao Sagres confirmou que os servidores foram nomeados como Assessores Executivos e Assessores Especiais da Semaby. Dos 10 denunciados, apenas 1 não compôs os quadros da secretaria em 2020. Além disso, o vínculo da maior parte deles se deu entre setembro e dezembro, o que corrobora com a denúncia. Por fim, em consulta realizada no mês de fevereiro, constatou-se que a maior parte não faz mais parte dos quadros da prefeitura.

Com na notícia de fato convertida em inquérito civil público, o Ministério Público avança nas investigações e, se confirmados os indícios, os envolvidos poderão responder enriquecimento ilícito e dano ao patrimônio público.

Confira o despacho de instauração do inquérito:

 

Da Redação

Notícias relacionadas

Opinião: Cícero, Bruno, João e o povo devem pular fogueira de São João de forma harmoniosa para amenizar efeitos da covid

É hora de um estudo coletivo; uma grande mobilização por parte dos gestores paraibanos, a fim de buscar mecanismos comuns que possam resguardar a vida humana, livre das querelas partidárias…

Mulher vítima de violência denuncia marido à Polícia Civil, na capital

Uma mulher denunciou o marido por agressão doméstica na noite de ontem (15), em João Pessoa. O crime aconteceu no bairro Costa Silva, por volta de 23h30. À polícia, a…