Por pbagora.com.br

A equipe econômica do governador José Maranhão está empenhada numa missão: quer rever a aplicação prática de alguns Planos de Cargos, Carreira e Remuneração implantados durante a gestão do ex-governador Cássio Cunha Lima. Um outro ponto de ataque, também, é o Piso Salarial Nacional que Cássio conseguiu aprovar na Assembléia, no segundo semestre de 2008. A Paraiba foi o primeiro estado a adotar o valor de R$ 950,00 como referência para os vencimentos dos docentes.

De acordo com o líder do Governo na Assembléia Legislativa, deputado Gervásio Maia Filho (PMDB), as avaliações estão sendo realmente feitas, nesse sentido, mas tudo até o momento se resume a estudos e projeções feitas pela equipe econômica. Segundo ele, a intenção do governador é aplicar os benefícios, mas sem comprometer o equilíbrio fiscal do Estado.

Oposição questiona

Para o líder da Oposição, deputado Manoel Ludgério Neto (PDT), o discurso do Governo é “equivocado e improcedente”. Segundo Ludgério, tanto os PCCR´s adotados pelo Governo Cássio, como também a adaptação do piso nacional salarial para a realidade da folha de pessoal do Governo da Paraíba seguiram criteriosos estudos da equipe econômica da gestão anterior e sempre ficou provado que os benefícios não ameaçariam o equilíbrio fiscal e tampouco descumpriria a Lei de Responsabilidade Fiscal.

O ex-controlador-geral do Estado, Luzemar Martins, dispõe de estudos que demonstram claramente que, dentro do Orçamento de 2009, a aplicação dos PCRR´s e do piso salarial nacional dos professores na Paraíba podem perfeitamente ocorrer, sem comprometimento do equilíbrio financeiro do Estado.

Desde 2003, o Governo Cássio Cunha Lima, com aprovação da Assembléia Legislativa, aprovou mais de 30 Planos de Cargos, Carreira e Remuneração. Projeções feitas por Luzemar Martins indicavam, no final de 2008, que a aplicação dos PCCR´s não apenas era possível dentro da realidade financeira dos recursos reservados para a folha de pessoal, como percentualmente tinha um impacto menor do que o encontrado no início do mandato de Cássio. A implantação do piso salarial dos professores, também, foi possível por conta de ajustes na máquina administrativa do Estado.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Efraim quer proteger de impostos setores que empregam grande quantidade de trabalhadores

oco desta semana está na desoneração da folha de pagamentos de setores que empregam grande número de trabalhadores, lembra o líder Efraim Filho (PB). “Retomar uma política de não onerar…

Por questões pessoais, Dr Érico desiste de disputar prefeitura de Patos

O deputado estadual Doutor Érico, que havia deixado de integrar o famigerado G11 na ALPB em março desse ano para garantir o apoio do Governo do Estado à postulação à…