Por pbagora.com.br

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, nesta quinta-feira (5), na abertura do Seminário Internacional sobre o Desenvolvimento realizado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), que a solução para a crise financeira mundial é a “política”. Segundo ele, uma política bem ordenada pode salvar o mundo do caos que se instalou no mundo.

“Por mais injustas que sejam as consequências dessa crise para as pessoas pobres e as nações em desenvolvimento, ela coloca um ponto final nos equívocos cometidos por décadas em nome do Deus mercado”, disse ele a uma platéia de empresários e economistas.

Para Lula, chegou a hora de os governantes assumirem um papel de liderança em seus países. “Eu estou convencido de que a saída para essa crise que estamos vivendo só acontecerá se os governantes do mundo assumirem o papel de governantes dos seus países. Houve, durante duas décadas, uma apatia, porque as pessoas eram eleitas sob a égide de que o Estado não valia nada e de que tudo seria resolvido pelo mercado e que o papel do governante era enxugar o estado e reduzi-lo ao mínimo possível porque ele atrapalharia a economia”, argumentou o presidente.

O presidente salientou ainda que é preciso saber se os governos conseguirão ser os indutores da econômica e não permitirão mais tanto espaço para que os mercados decidam seus rumos. “Precisamos saber se os líderes políticos assumirão o seu papel e se os Estados assumirão o seu papel de indução da economia”, questionou.

Lula disse que os grandes bancos ficaram pequenos, e os investidores não apontaram para onde foram os trilhões de dólares que existiam nos mercados antes da crise. “Ninguém sabe até hoje quantos trilhões de dólares atravessavam os oceanos sem passaporte e sem nada e depois da crise sumiram. Os grandes bancos, que apareciam como uma grande pizza, agora são uma mini pizza”, atacou Lula.

Crédito

Durante o discurso de abertura do seminário, Lula disse que uma das grandes questões a serem resolvidas na crise é a volta do crédito. “Nós vamos ter que decidir não apenas a regulação do sistema financeiro e dos paraísos fiscais, mas vamos ter que ver como restabelecer o crédito no planeta, porque, sem isso, os paises não funcionam, as empresas não investem e a economia não roda”, argumentou.

Lula disse que ainda não se sabe se haverá o mesmo volume de crédito que havia no mundo antes da crise. “Podemos ou não voltar ao credito antes da crise? Esse é o grande desafio. Será que os países ricos vão apenas colocar dinheiro com intuito apenas de salvar bancos ou vão ter coragem para estatizar esses bancos, salvá-los e depois fazer voltar o crédito”, questionou.

Ele salientou ainda que o Brasil não vencerá a crise fazendo cortes no orçamento. O presidente disse que o país vai aumentar seus investimentos orçamentários e citou como exemplo o pacote de habitação que deve ser lançado neste mês.

“O que vamos discutir no G-20 é que chegou a hora da verdade e da política, não tem contemporização”, salientou Lula no final do discurso.

 

g1

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Saibam quais são as siglas com mais candidatos nestas eleições na PB e conheça as regras para a mídia

Um estudo da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) revelou dados sobre as eleições municipais na Paraíba, neste ano. Dentre os dados, estão quais as siglas mais lançarão candidatos, bem como…

Prefeito de Bananeiras negligencia com a Saúde e Educação e recebe cartão vermelho do Tribunal de Contas do Estado

As contas da prefeitura de Bananeiras, relativas ao exercício de 2018 (Processo 06257/19) foram rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado, em sessão por videoconferência, realizada nesta quarta-feira (23), tendo…