Ao voltar da Bahia na tarde de terça-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá o seu primeiro dia de trabalho no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil), a nova sede do Executivo enquanto o Planalto é reformado.

Sede do governo de transição instalado em 2002 após a eleição de Lula, em outubro daquele ano, o CCBB fica em uma área distante da Esplanada dos Ministérios e das principais vias de Brasília. Trata-se de um complexo cultural com salas de cinema e de exposição, teatro, cafeteria e livraria. Todos os serviços continuarão funcionando normalmente.

O objetivo da reforma no Planalto é consertar instalações elétricas, piso e climatização, entre outras mudanças. O presidente chegou a dizer ao autor da obra, Oscar Niemeyer, que o palácio, inaugurado em 1960, estava parecendo uma “favela”, com gambiarras e “puxadinhos” que o descaracterizaram.

O projeto de reforma ficou a cargo do arquiteto e, na semana passada, foi aberto um edital para a definição das empresas que irão executá-lo. O custo está estimado em R$ 94 milhões. O edital anterior, anulado segundo a Casa Civil por “problemas insanáveis de redação”, previa o total de R$ 88 milhões.

Lula exigiu que a reforma acabe até 21 de abril de 2010, aniversário dos 50 anos de Brasília. A ideia inicial da Presidência era ficar no Palácio do Buriti, do governo do Distrito Federal, mas a opção foi descartada em função do trânsito e da segurança.

No CCBB, Lula ficará distante, por exemplo, de manifestações como as de sem-terra. O Buriti fica no Eixo Monumental, justamente onde ocorrem protestos.

Perto de Lula

A obra irá alterar a rotina do presidente e a proximidade dos ministros com seu gabinete. Sem salões para eventos e com espaço bem mais restrito que a sede do governo, o CCBB abrigará, além de Lula e de seus assessores, as estruturas da Casa Civil e parte da Secretaria de Comunicação –definição que não foi nada tranquila.

Caberia ao ministro Luiz Dulci (Secretaria Geral), ao general Jorge Armando Felix (Segurança Institucional) e às suas assessorias o Palácio do Buriti. Mas Dulci se sentiu preterido e justificou que não poderia despachar longe do presidente. Depois de negociações, ele conseguiu um gabinete no CCBB.

O GSI também bateu o pé por um lugar perto de Lula, com a justificativa de que o setor que zela pela segurança do presidente tem de estar ao seu lado. Pedidos atendidos, mas as assessorias de Dulci e do GSI ficarão fora do CCBB.

O único ministro com gabinete no Planalto que não brigou por lugar foi José Múcio (Relações Institucionais), que quis ficar no “bolo de noiva”, prédio anexo ao Itamaraty próximo ao Congresso.

O vice-presidente, José Alencar, manterá sua sala no prédio anexo do Planalto, que não passará por reformas.

Com os salões do Planalto desativados, a tendência é que diminua o número de eventos públicos de Lula, já que a segurança não recomenda muitos deslocamentos. Quando isso ocorrer, haverá duas opções: o Itamaraty, que será utilizado para atos de menor porte, ou então locais que tenham salões amplos, como o Memorial JK ou o Centro de Eventos Ulysses Guimarães ou o Hotel Alvorada. Encontros mais formais poderão ocorrer também no Palácio da Alvorada, residência do presidente.

Folha Online

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Moradores denunciam atraso em obra na falésia do Cabo Branco

Em depoimentos a imprensa radiofônica da capital na última sexta-feira (24), moradores da abrangência da falésia do Cabo Branco, reclamaram da lentidão nas obras de contenção marinha da falésia. As…

Taciano Diniz diz que continuará neste ano a priorizar ações de saúde e qualidade de vida

Em depoimento via sua assessoria o deputado estadual Taciano Diniz (Avante) disse, em entrevista anteontem, que passou todo o primeiro ano de mandato priorizando ações na área de saúde e…