O titular da 16 a Zona Eleitoral- Campina Grande, Manuel Maria Antunes de Melo, proferiu nesta terça-feira (08) sentença rejeitando Ação de Investigação Judicial Eleitoral proposta pela Coligação "Massaranduba de Todos", encabeçada pelo então candidato Paulo Francinette e cujo objetivo era afastar do cargo a prefeita de Massaranduba, Joana D’arc Queiroga, e sua vice, sob alegação de captação ilícita de votos.

O Magistrado considerou, inicialmente, ilícitas as provas obtidas mediante gravações de áudio e vídeo realizadas de forma clandestina, isto é, sem conhecimento das pessoas gravadas e sem autorização do juiz eleitoral competente.

Segundo o juiz Manuel Maria Antunes de Melo, pesou em sua decisão, ainda, o fato do eleitor supostamente cooptado, Sandreylson Pereira de Medeiros, “tratar-se de militante político ligado ao esquema adversário, que teria realizado as gravações com o nítido propósito de prejudicar a então candidata Joana D’arc, caso eleita fosse”.

O Juiz Eleitoral encampou o entendimento do Promotor Eleitoral, Lúcio Mendes Cavalcante, bem como do Promotor designado, José Eulâmpio Duarte, que se posicionaram pela inexistência de prova da prática de conduta vedada.

Cabe recurso da sentença para o Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB), no prazo de 03 dias.

 

Ascom

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Petista reage a possível cobrança de pedágio nas BRs da PB: “Privataria cega”

O deputado estadual Anísio Maia (PT) tachou como “privataria cega” a possibilidade de cobrança de pedágio nas BRs 230 e 101. Na semana passada o presidente Bolsonaro informou que iria…

Opinião: Cartaxo observa a crise no PSB como “tábua de salvação”, mas o PT não permitirá sua redenção

O impasse foi formado. Efetivamente há uma quebra de unidade nas hostes do PSB. Uma formação foi dissolvida, afetando a ordem unida do grupo, não estando em compasso soldados e…