A capitalização pura e simples e a tentativa de equiparação do trabalhador rural ao trabalhador urbanos. Esses foram dois pontos elencados pelo governador da Paráiba, João Azevêdo (PSB) como ‘inegociáveis’ quando o assunto é a Reforma da Previdência proposta pelo Governo Bolsonaro extensiva aos Estados.

Em entrevista nesta quinta-feira (06), durante participação na solenidade de abertura do Fórum Nacional do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), João concedeu uma breve entrevista e falou sobre o tema de forma direta e clara.

“A questão da reforma ela precisa ser vista de uma forma muito mais ampla. Não é só o que vai acontecer no futuro. Nós temos que ter uma visão do déficit atual e essa reforma que está proposta não trata do déficit da previdência atual, e é isso que nos preocupa. Evidente que da forma como está sendo posta, daqui a 10 anos, 15 anos, vai começar a ter um efeito, entretanto existem pontos que são inegociáveis. A capitalização pura e simples que nós não concordamos com ela, a forma de querer tratar o trabalhador rural igual ao trabalhador urbano também nós não concordamos”, pontuou.

 

Redação

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Ruy inicia o projeto Fala, João Pessoa! e ouve população sobre os desafios da cidade

Acesso à saúde, atenção e cuidados com os jovens, oportunidades e empregos, transporte público. Como enfrentar os problemas mais urgentes de João Pessoa? É com esse objetivo que Ruy Carneiro,…

“Vejo muitos complicadores”, diz presidente do TJPB sobre juiz de garantias

Em entrevista a imprensa radiofônica da capital, nesta semana o presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos, destacou os motivos pelo qual é…