A Paraíba o tempo todo  |

Imprensa destaca que é preciso abrir a caixa-preta dos cartórios; Na PB, Cunha Limas detém concessão

PUBLICIDADE

Cartórios extrajudiciais, entidades privadas, não fazem parte da estrutura orgânica do Judiciário, mas prestam serviço público por delegação deste Poder, e são fiscalizados pelos tribunais. Por definição, existem para oferecer segurança jurídica ao cidadão, dando fé a documentos e transações comerciais. Deveriam, por isso, funcionar com inquestionável transparência — inclusive financeira —, mas muitos deles habitam, em todo o país, um meio ambiente refratário ao controle de suas atividades é o que destaca matéria de capa do portal O Globo. Na Paraíba um dos mais tradicionais cartórios pertence ao ex-senador e atual avô do deputado estadual líder da oposição Bruno Cunha Lima, o empresário Ivandro Cunha Lima.

 

 

Segundo a reportagem, assim operando, deixam às claras apenas a evidência de que se alimentam de uma rede de burocracia que custa caro aos clientes, toma-lhes tempo e lhes retribui com serviços nem sempre eficientes, quando não de fé duvidosa. Por outro lado, mantêm à prova de luzes o quanto seus proprietários faturam, por vezes em nebulosas transações.

 

Num outro viés do problema, um número ainda grande deles — os chamados cartórios biônicos — ignora a resolução do Conselho Nacional de Justiça, de 2006, segundo a qual tais estabelecimentos têm de ser geridos por oficiais concursados. Ao contrário, neles impera o princípio das capitanias hereditárias, transferindo-se titularidades de pai para filho.

 

Pouco se sabe da vida administrativa dos 13.555 cartórios privados do país. Os estabelecimentos se recusam a dar informações, principalmente as relativas ao faturamento. Que não é pouco: com base num levantamento do GLOBO, sobre repasses obrigatórios, estima-se que somente no Rio de Janeiro e em São Paulo o montante movimentado seja da ordem de R$ 5 bilhões. Um dinheiro captado do público, e empregado sob critérios que desafiam a fiscalização.

 

Essa caixa-preta dá abrigo a uma fortaleza corporativa e protege do sadio controle da sociedade uma máquina lenta para carimbar papéis e voraz na cobrança dos serviços. Tribunais de Justiça e Assembleias Legislativas, em geral, são camaradas com os tabeliães. Os critérios para a fixação dos valores de custas e emolumentos, definidos pelos TJs e aprovados pelo Legislativo, variam de tal forma, e sempre para avançar no bolso dos clientes, que em São Paulo, por exemplo, subiram 30% em três anos; no Rio, foram aplicados dois reajustes nos últimos três meses. Isso para remunerar serviços por eles monopolizados, como reconhecimento de firma, que nos EUA, em geral, é dispensado nos documentos.

 

A falta de transparência também estimula atos duvidosos, como o financiamento, pelos cartórios, via taxas extras cobradas do público, de entidades de direito privado, vedado por lei. No Rio, um desses beneficiários, como revelou O GLOBO em série de reportagens publicadas esta semana, é a Mútua dos Magistrados — associação de juízes que têm, como atribuição, fiscalizar os estabelecimentos que lhes repassam as verbas. Claro conflito de interesses. É preciso abrir a caixa-preta.

 

Em Campina Grande, um dos mais tradicionais cartórios pertence ao ex-senador e atual avô do deputado estadual líder da oposição Bruno Cunha Lima, o empresário Ivandro Cunha Lima.

 

""

 

Redação com o Globo

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe