Antes de participar da reunião do governador José Maranhão com sua equipe, na manhã desta terça-feira, no Palácio da Redençao, o secretário de Finanças, Marcus Ubiratan, declarou que não está assegurada a pontualidade do pagamento dos servidores. “No máximo, podemos garantir que haverá normalidade”, observou ele, justificando que tudo vai depender do comportamento das receitas nos próximos meses no Estado.

Ubiratan voltou a destacar a redução, na ordem de R$ 40 milhões nos recursos do Fundo de Participação dos Estados (FPE), observando que o Estado terá de fazer uma reprogramação de seus gastos, mas que a folha de pessoal continuaria sendo prioridade de governo.

O secretário de Finanças confirmou que a gestão anterior deixou recursos em caixa, na ordem de R$ 153 milhões, mas que o dinheiro não estava disponibilizado em um caixa único, mas pulverizado em várias secretarias e órgãos da administração indireta.

Ele garantiu que a Secretaria já transferiu aos outros órgãos para os recursos para o custeio das despesas. “No momento só podemos contar com o que será arrecadado do dia 20 de fevereiro em diante”, asseverou.

 

PB Agora
 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Opinião: Manoel Jr busca tirar João Almeida como candidato a prefeito de JP mesmo com aval da Executiva Nacional

Menino não, “bigodete”, como eram chamados todos o adolescente de 13 ou 14 anos de idade. “Bigodete” sim, e com ética e orgulho. O início de um ciclo da “masculinidade”.…

Romero ‘desautoriza’ Kassab sobre definição de nome na disputa em CG

Cautela. Essa tem sido a palavra utilizada pelo prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSD), quando o assunto é a escolha do nome para concorrer a sua sucessão. O gestor,…