O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) divulgou nota nesta terça-feira (3) em que critica o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, por fazer “acusações difamatórias” e a Agropecuária Santa Bárbara, de propriedade do grupo Daniel Dantas, por tentativa de “criminalizar o movimento”.

 

Na segunda (2), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que não crê em uma crise institucional entre o MST e o STF. Lula classificou, no entanto, de “inaceitável” a justificativa do movimento de legítima defesa para quatro mortes em uma invasão em Pernambuco.

Na semana passada, Mendes criticou o repasse de dinheiro público ao MST – entidade que, em sua visão, cometeria ilegalidades. No fim de semana, em resposta, o MST invadiu duas fazendas de Dantas. O movimento alegou que a invasão foi uma resposta a Mendes, ministro responsável pela concessão de habeas corpus que livrou o banqueiro da prisão no ano passado, após a Operação Satiagraha, da Polícia Federal.

Lula afirmou crer que Mendes fez críticas como cidadão ao movimento. Em nota na noite de segunda (2), o presidente do STF disse que as afirmações foram no exerício do cargo: “A Secretaria de Comunicação Social do Supremo Tribunal Federal esclarece que o presidente [Gilmar Mendes] falou na qualidade de chefe do Poder Judiciário, que tem responsabilidades políticas e institucionais inerentes ao cargo”.

 

Nota do MST

Na nota divulgada nesta terça (3), o MST disse que crime é “terras públicas sendo vendidas a banqueiros corruptos que são soltos pelo mesmo juiz que faz acusações difamatórias aos movimento sociais” – veja abaixo a íntegra da nota.

o MST diz também que a Agropecuária Santa Bárbara tenta criminalizar o movimento. “O MST reafirma que as denúncias feitas pelo grupo Santa Bárbara são infundadas e são formas de criminalizar o movimento perante a sociedade.”

Na segunda-feira (2), a Agropecuária havia divulgado nota em que afirmou que os funcionários da empresa estão sitiados em uma das fazendas invadidas e que os integrantes do MST fazem “matança de gado”. A empresa diz ainda que empregados são intimidados.

Veja abaixo íntegra da nota divulgada pelo MST

“Nota de esclarecimento sobre as ocupações no Pará
03/03/2009

Diante da repercussão das ocupações de terra ocorridas no estado do Pará nos últimos dias, a Direção Estadual do MST esclarece:

1- Foram feitas duas ocupações no estado: nos município de Xinguara, Sul do Pará, no dia 28/2 e no município de Marabá, na região suldeste,no dia 1/3.

2- Cerca de 200 famílias ocuparam a fazenda Espírito Santo, no município de Xinguara e 240 ocuparam a fazenda Cedro, em Marabá. As ocupações permanecem de forma pacífica. As duas fazendas pertencem à Agropecuária Santa Bárbara, ligada ao grupo Opportunity, e ao sócio-fundador do grupo, Daniel Dantas.

3- O MST reivindica a imediata desapropriação das fazendas que estão em terras públicas vendidas ilegalmente, que devem ser destinadas à Reforma Agrária. As fazendas Espírito Santo e Cedro fazem parte do complexo de mais de 500 mil hectares de terras do Grupo Santa Bárbara adquiridas nos últimos cincos anos na região. São 49 fazendas em 11 muinicipios.

4-Três são as fazendas do grupo Opportunity ocupadas por famílias ligadas ao MST no Pará. A primeira ocupação foi realizada na fazenda Maria Bonita, localizada em Eldorado dos Carajás. Cerca de 600 agricultores ligados ao Movimento ocuparam a propriedade na manhã do dia 25 de julho de 2008, e lá permanecem acampados próximos a fazenda.

5- O MST reafirma que as denúncias feitas pelo grupo Santa Bárbara são infundadas e são formas de criminalizar o movimento perante a sociedade. Foices, fações e enchadas, se consideradas armas – já que para os camponeses são instrmentos de trabalho – são muito inferiores em relação as potentes armas em mãos da “Escolta Armada”, empresa de segurança contratada pela Agropecuária Santa Bárbara para vigiar as fazendas.

6- O MST afirma que crime é a destruição das áreas de castanhais praticada há anos para dar lugar a pasto. É a existiência de famílias – que constituem verdadeiras oligarquias – com práticas truculentas, latifundiários armados no campo, trabalho escravo, terras públicas sendo vendidas à banqueiros corruptos que são soltos pelo mesmo juiz que faz acusações difamatórias aos movimento sociais.

Direção Estadual do MST-PA”

 

 

G1

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Cartaxo revela diálogo com aliados sobre eleições, mas PV não deve abrir mão da cabeça de chapa

Durante solenidade na manhã desta segunda-feira (20), o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV) revelou que iniciará esta semana ao diálogo com os partidos aliados visando as articulações para…

Luppi afirma que caso aconteça, tratativa para filiação de João Azevêdo ao PDT será feita por Lígia Feliciano

Durante entrevista a uma emissora de rádio paraibana na tarde desta segunda-feira (20), o presidente nacional do PDT, Carlos Luppi negou convite para o governador da Paraíba, João Azevêdo (sem…