Em um trecho da delação premiada de Ivan Burity, ex-secretário executivo de turismo do Estado da Paraíba, ele revela que como era encarregado da captação de recursos investigados na Operação Calvário, algumas vezes quando o valor não era definido de antemão, ele subtraia parte para si.

De acordo com ele a imprecisão de valores favorecia que ele desviasse parte em proveito próprio.

“Eu levava para minha casa tirava uma parte [do dinheiro], restaurava a embalagem e entregava a Laura” disse.

Ivan é apontado como recebedor de propinas, principalmente nos contratos da educação, junto a empresas que forneciam materiais didáticos para as escolas públicas do estado.

O ex-secretário ainda disse que o esquema foi sugerido por Edvaldo Rosas e Gilberto Carneiro.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Opinião: A pandemia é uma questão de saúde pública. Mas é difícil não politizar o assunto. Afinal…

Um dos aspectos mais negativos da pandemia que se abate sobre o mundo, com a proliferação do novo coronavirus é a conotação político-partidária que se dá à discussão sobre tão…

Bolsonaro diz que Moro é egoísta e não ajuda em crise da Covid-19

O presidente Jair Bolsonaro disse que o Ministro da Justiça, Sergio Moro, é “egoísta” e não está atuando para defender as suas posições no enfrentamento às medidas restritivas dos Estados…