Por pbagora.com.br

O secretário Inaldo Rocha Leitão, da Articulação Governamental, escreveu um artigo contudente, avaliando a postura do senador José Maranhão (PMDB) no processo de cassação do governador Cássio Cunha Lima. Para Inaldo, a “democracia maranhista”  funciona pelo avesso: o vencedor perde, o derrotado ganha.

Leia, abaixo, a íntegra do artigo “O cavalo de Átila”, de autoria do ex-deputado federal Inaldo Leitão:

O cavalo de Átila

É notória a pouca utilidade do ex-governador José Maranhão no desempenho do mandato de senador conferido pelos paraibanos. É um obscuro, dizem uns. Um inútil, comentam outros. Inútil e obscuro são ingredientes que resultam na receita do nada. Mas há uma tarefa que Maranhão se impôs e a exercita com extrema eficiência – infernizar a vida de Cássio e, por tabela, dos paraibanos. Desde que foi derrotado nas eleições de 2006 nos dois turnos, Maranhão bateu na porta da Justiça Eleitoral e durante mais de dois anos trabalha para, no tapetão, subverter o resultado das urnas e inverter a ordem natural das coisas: o vencedor perde, o derrotado ganha. É a democracia maranhista – pelo avesso.

Enquanto o processo de cassação de Cássio sobe os degraus das instâncias recursais, Maranhão resolveu empregar seu tempo agora na caça às obras do governo estadual, que ele chama de inacabadas. Inventou a tal Caravana da Reconstrução e, cercado de deputados estaduais e federais, além de candidatos a cargos no ‘futuro’ governo, ora desocupados, danou-se a viajar para o interior do Estado em busca das tais obras inconclusas. Qualquer cidadão sabe que o resultado dessas visitas é nenhum. Melhor faria o séqüito maranhista se visitasse o Palácio do Planalto e reivindicasse recursos para a conclusão das obras. Como o enredo dessa peça teatral é fictício, e só serve para fazer barulho no suspeitíssimo jornal de Roberto Cavalcanti, essa hipótese, claro, está descartada.

Trata-se de conduta lastimável de uma gente que, na falta do que fazer, resolve desperdiçar tempo e torrar dinheiro público. Os deputados federais e estaduais que integram a troupe maranhista parece que entendem bem do assunto: foi sob o governo do ex Maranhão que a Paraíba assistiu ao maior espetáculo de obras inacabadas e, pior ainda, paralisadas por suspeita de superfaturamento.

É o caso da duplicação da BR 230 e do Canal de Sousa, segundo auditoria do Tribunal de Contas da União, para citar apenas as obras estruturantes iniciadas e paralisadas no ex governo de JM. A paralisação dessas obras, ora em fase de conclusão pelo governo Cássio, causou grandes prejuízos aos paraibanos e ruborizou os ministros do TCU, pois alguns itens acusaram superfaturamento de 110%. Tivemos um trabalho danado para convencer o Tribunal e a Comissão de Orçamento do Congresso Nacional de que era preciso liberar as obras e responsabilizar os maus gestores públicos – os agora autoproclamados “fiscais de obras públicas.”

É risível, por ser também patética, a conduta desses acusadores dos próprios pecados. Melhor fariam esses ilustres representantes do povo se cumprissem um dever básico de todo homem público – o de trabalhar pela Paraíba e não atrapalhar a agenda do governo com fanfarronices. O governo Cássio promoveu o equilíbrio fiscal do estado, bateu recordes na consolidação de planos de carreira dos servidores, paga a folha de pagamente de pessoal dentro do mês trabalhado, mantém em dia os compromissos com os fornecedores e tem uma inédita agenda de obras espalhadas por todo o estado.

Tudo isso incomoda a oposição, sempre de olho na próxima eleição e com a pretensão (!) de influir no resultado do julgamento do TSE. Se o governo vai bem, essa turma se sente ameaçada no seu projeto eleitoral. Até aí tudo bem, pois o povo não é bobo e sabe distinguir o certo do errado. O problema é quando a oposição ao governo perde o rumo das coisas, se descola da crítica a que todo governo está submetido e resvala para o campo da baixaria.

Átila, Rei dos Hunos, conhecido na história como o “Flagelo de Deus”, tinha verdadeira obsessão por tudo que não lhe pertencia. Com seu exército sanguinário, devastou durante anos os territórios do decadente império romano, destronando reis e executando friamente os vencidos. Como todo déspota, cultivava um apetite desmedido pelo poder. “A grama não volta a crescer onde o meu cavalo pisa”, jactava-se o cruel Rei, com espírito destruidor.

Não vou comparar o ex Maranhão a Átila e tampouco seus seguidores aos Hunos. Seria promovê-los em excesso. Mas essa Caravana da Reconstrução, que prefiro chamar de Cavalaria da Destruição, faz lembrar o cavalo de Átila e suas patas do mal. A propósito: não é recomendável que esses sequazes do maranhismo coloquem os cascos na recém-inaugurada estrada asfaltada ligando São José da Lagoa Tapada a Sousa, pois há risco de fazerem a terra tremer. Estrada, alíás, que Maranhão prometeu e sequer iniciou. Cássio fez.

Inaldo Rocha Leitão

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Em debate na TV, Nilvan anuncia concurso para guarda municipal e que não fará lockdown

O candidato a prefeito de João Pessoa, Nilvan Ferreira durante debate reafirmou o compromisso de não realizar lockdown, reabrir as escolas particulares em janeiro, recuperação da barreira do Cabo Branco…

Folha destaca favoritismo de Cícero Lucena no 2º Turno em JP

Em texto publicado pelo jornalista João Pedro Pitombo, na Folha de São Paulo, o candidato à Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) Cícero Lucena, do PP, é colocado como favorito…