Crise deflagrada. O vice-presidente estadual do PSB, Edvaldo Rosas, declarou na noite desta terça-feira (24) que o partido vai bater o martelo a respeito da fidelidade partidária e cobrar que as lideranças da legenda acompanhem os projetos do partido. “Não vamos mais aceitar intervenção branca dentro doPSB. A questão da fidelidade partidária vai ser pautada. Quem não aceitar os rumos do partido, vai ter que deixá-lo”, declarou Rosas, confirmando reunião do partido para avaliar, nesta quarta, a convocação do deputado Guilherme Almeida (PSB) para o governo Maranhão III permitindo a posse de Nadja Palitot na Assembléia.

“Exigimos respeito e vamos defender a autonomia dos partidos”, declarou Rosas. Segundo ele, o PSB é um partido que carrega flores numa mão e o machado na outra. “Estão querendo que a gente use o machado”, disparou.A abertura de possibilidade de posse de Nadja revoltou os socialistas aliados a Ricardo. Edvaldo Rosas disse que o PSB não vai comprometer seus projetos em razão das vontades alheias.

Ele reafirmou a intenção da legenda consolidar a candidatura de Ricardo Coutinho ao governo do Estado. “Não vamos abrir nem para um trem”, disse. Há algumas semanas, Rosas bate-boca pela imprensa com o deputado federal Manoel Júnior (PSB) que criticou abertamente possível aliança de Ricardo com o ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB).

“Tem que ser PSB ,ou está fora do partido”, declarou Rosas.

PB Agora

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Pós-folia os pré-candidatos paraibanos devem focar nos prazos eleitorais e convenções

Como se diz “Tudo no Brasil, começa após o carnaval”, essa máxima também é levada a política, onde os pré-candidatos nas eleições devem dar o start oficial as suas pretensões…

Após postagem de Bolsonaro, Lula cobra do Congresso ação em defesa da democracia

O ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), usou seu perfil numa rede social para cobrar do Congresso e da sociedade ação em defesa da democracia. A postagem…