Por pbagora.com.br

A primeira reunião de trabalho da CPI (comissão parlamentar de inquérito) da Petrobras terminou sem uma decisão sobre os requerimentos mais polêmicos. A proposta de trabalho do relator Romero Jucá (PMDB-RR) -que é líder do governo no Senado – rejeitou várias convocações para depoimentos e até pedidos de documentação. Prevê apenas convites a diretores e gerentes da estatal e representantes de órgãos oficiais. Inclui também um convite ao presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli.
Os demais requerimentos serão avaliados em reuniões futuras, de acordo com os desdobramentos das investigações. A proposta foi feita pela oposição, que tenta um entendimento com a base governista.

“Vossa excelência rejeitou 66 requerimentos, de um total de 88. Eu não posso concordar com isso. Gostaria que eles não fossem apreciados agora”, disse José Agripino (DEM-RN). “Estou preocupado com o encaminhamento que o senhor está querendo dar para esta CPI”.

Pelo cronograma de trabalho aprovado, no próximo dia 11 deverá ser ouvido o secretário interino da Receita Federal, Otacílio Dantas Cartaxo. Ele deverá esclarecer a manobra contábil que resultou em redução no recolhimento de impostos e contribuições no valor de R$ 4,3 bilhões.
 

 

A oposição também quer ouvir a ex-secretária da Receita Federal Lina Maria Vieira. Ela foi demitida depois que a Receita classificou como irregular a manobra tributária da Petrobras que resultou em recolhimento menor de tributos, no ano passado. “A ex-secretária Lina Vieira não fez uma denúncia, fez um alerta ao país. Esse alerta não pode ser desconsiderado”, disse Agripino.

O tucano Álvaro Dias (PR) também criticou a proposta de ouvir apenas o secretário interino. “Se não convocarmos a ex-secretária, não teremos o contraponto. Convocamos apenas quem já sabemos que tem uma posição favorável à Petrobras”.

Para a oposição, ao convidar apenas vozes oficiais para prestar esclarecimentos, a CPI terá um encaminhamento parcial. “Vossa excelência optou por convocar aqueles que supostamente defenderão a causa governista e eliminou, preliminarmente, aqueles que podem denunciar. Teremos aqui um tribunal só com advogados de defesa, sem promotor. Dessa forma, não investigaremos”, avaliou Dias.

O presidente do PSDB, Sérgio Guerra (PE), fez coro com o colega de partido. “Não adianta apenas a versão oficial. É preciso também a versão daqueles que acham que a versão oficial não é aquela que parece ser”.

Jucá defendeu sua proposta e disse que a ideia é ter uma “visão sistêmica” e não “pontual” dos fatos. “Não estou prejulgando. Não quero carimbar. Se depender de mim, essa comissão não vai ter o objetivo de marcar alguém, com uma visão política específica. Pode até chegar nisso, mas não é esse o objetivo.”

“O objetivo precípuo da CPI não é pegar alguém, é identificar padrões de irregularidade e corrigi-los. Não vou trazer, pontualmente, um funcionário que vai falar de outro funcionário”, acrescentou o relator, defendendo que a CPI deve ter a “grandeza” da Petrobras.

Fundação Sarney

No caso da denúncia sobre desvio de recursos provenientes de patrocínio da Petrobras, que envolve a Fundação Sarney, do Maranhão, o relator também rejeitou todos os requerimentos para que fossem ouvidas pessoas de órgãos relacionados à denúncia. A lista inclui representantes de fundações que teriam recebido dinheiro da estatal.

O relator também rejeitou requerimento para que a Fundação Sarney encaminhasse à CPI cópias de todas as prestações de contas e notas fiscais relativas às ações financiadas com patrocínio da Petrobras.

Sugeriu, apenas, que fossem ouvidos gerentes da área de patrocínio da estatal e o ministro Juca Ferreira (Cultura), cuja pasta é responsável pela avaliação da prestação de contas dos recursos liberados via lei Rouanet, de incentivo à cultura.

Trabalhos em seis etapas

O plano de trabalho do relator da CPI está dividido em seis partes. Após ouvir o secretário Cartaxo (Receita Federal), a comissão deverá analisar denúncias de desvios de dinheiro dos royalties do petróleo apontados pela “Operação Royalties”, da Polícia Federal, e denúncias do Ministério Público sobre fraudes que envolvem pagamentos, acordos e indenizações feitas pela ANP (Agência Nacional do Petróleo) a usineiros.

A terceira fase discutirá indícios de superfaturamento na construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, apontados pelo TCU (Tribunal de Contas da União). Nessa reunião, também deverá ser ouvido José Gabrielli, além de diretores da área de serviços e engenharia, diretoria financeira e diretoria de abastecimento da estatal.

“Os diretores da Petrobras estarão à disposição da CPI. Estarão pré-convidados e aprovados, não apenas para esta fase, mas também para as demais”, disse Jucá.

A etapa seguinte prevê a avaliação das denúncias de irregularidades no uso de verbas de patrocínios da Petrobras.

A fase 5 trata de indícios de fraudes nas licitações para reforma de plataformas de exploração de petróleo apontadas pela “Operação Águas Profundas” da Polícia Federal. E também de irregularidades nos contratos de construção de plataformas apontadas pelo TCU.

A última fase foi classificada pelo relator como “propositiva”. Compõe-se de audiências públicas para debate do sistema de licitação da estatal, discussão sobre distribuição de royalties, discussão sobre as portarias da ANP que criaram os subsídios a serem pagos, por meio da Conta Petróleo, aos usineiros.

“Essa CPI será didática”, afirmou o senador petista Delcídio Amaral (MS). “Ao final dos trabalhos da comissão, a Petrobras vai provar porque é a primeira empresa do Brasil e porque já avançou tecnologicamente como avançou.”

 

 

UOL

Notícias relacionadas

“Se houve desvio em qualquer esfera, que seja devidamente apurado” diz Daniella

“Se houve desvio em qualquer esfera, que isso seja devidamente apurado” a frase e da senadora Daniella Ribeiro (Progressistas) que nesta terça-feira (13), ressaltou que tem concentrado esforços tanto para…

“Deve ser apurado”, diz João Azevêdo ao defender ‘CPI da Covid’

O governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania), disse que o Senado Federal tem autonomia para instalar Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigue as ações, por parte do presidente Jair…