Uma comissão integrada por representantes de diversos órgãos estaduais fará uma análise in loco das comunidades localizadas nos municípios de Aroeiras, Natuba e Itatuba, os mais atingidos pela barragem de Acauã. Essa foi uma das decisões tomadas na reunião desta terça-feira (24), realizada no Palácio da Redenção, conduzida pelo Secretário Chefe da Casa Civil, José Ricardo Porto, e pelo do Estado, Luciano Cartaxo. O encontro atendeu a uma solicitação de vários movimentos populares, a exemplo do Movimento dos Sem Terra (MST), Movimento dos Atingidos por Barragens (MSB) e Assembléia Popular.

O objetivo da reunião foi apresentar o encaminhamento das solicitações relacionadas por esses movimentos no último encontro, dia 09 de março. Também estiveram presentes na reunião representantes de secretarias de Estado, como a de Infra-Estrutura e a de Desenvolvimento Humano, além de outros órgãos governamentais, como a Cagepa, a Interpa e a Cehap.

De acordo com o Secretário Chefe da Casa Civil, o encontro foi bastante produtivo e demonstrou o bom entrosamento entre os movimentos e o Governo. “Compreendemos a necessidade de urgência na análise das reivindicações apresentadas e sabemos que, com diálogo e muito empenho, encontraremos soluções para os problemas enfrentados por essas comunidades”, avalia o secretário.

Antes mesmo da visita da comissão integrada, as comunidades que foram relocadas com a construção da barragem de Acauã receberão, nesta quarta-feira, técnicos da Cagepa, que farão um estudo sobre as condições técnicas para o abastecimento de água nessas localidades, já que essa deficiência, assim como a falta de energia elétrica e precariedade na infra-estrutura, está entre os principais problemas apresentados pelos integrantes do MAB.

Atendendo a uma solicitação de representantes do MST, o vice-governador se comprometeu em agendar uma audiência com o secretário de Educação e analisar o convênio com o Cooperar para atender a demanda dos assentamentos. Ainda na reunião, o diretor presidente da Cehap, Carlos Mangueira, anunciou que há uma determinação do Governo Estadual no sentido de adequar todas as atividades na área habitacional às normas que serão lançadas nas próximas semanas pelo governo federal, com o objetivo de construir um milhão de moradias em todo o país. “Faremos tudo com a maior agilidade, visando participar o máximo possível desse programa. E é com esse intuito que pretendemos fazer parcerias entre o Estado e os Municípios, movimentos sociais, ONGs e empresas privadas, sabendo que todos esses segmentos terão um importante papel nesse novo programa habitacional”, explica José Ricardo Porto.

Durante a reunião, ficou acertado que, assim que o novo programa habitacional for lançado pelo Ministério das Cidades, o Governo do Estado convocará um novo encontro com esses movimentos populares, objetivando discutir as medidas a serem adotadas.
 

SECOM

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Mesmo após fim de pensão, ex-governadores da PB continuam a receber

Em 2018, o Supremo Tribunal Federal (STF) decretou, em julgamento ocorrido, o fim do pagamento de pensões a ex-governadores e viúvas de ex-governadores da Paraíba. O benefício havia sido aprovado…

Pós-folia os pré-candidatos paraibanos devem focar nos prazos eleitorais e convenções

Como se diz “Tudo no Brasil, começa após o carnaval”, essa máxima também é levada a política, onde os pré-candidatos nas eleições devem dar o start oficial as suas pretensões…