Por pbagora.com.br

A Câmara dos Deputados fechou proposta para reajustar em cerca de 20% o valor das horas extras pagas aos seus servidores. A intenção é que seja adotado um cálculo que na prática eleva o valor da remuneração pelo trabalho adicional.

A proposta, já aprovada pela diretoria-geral da Casa, diz que o valor da hora extra deve ser calculado em cima de 200 horas trabalhadas por mês, e não mais sobre 240 horas, tal como ocorre hoje. Com isso, um servidor que ganha R$ 10 mil e recebe cerca de R$ 42 por hora extra (salário de R$ 10 mil dividido por 240 horas), passaria a receber R$ 50 (salário de R$ 10 mil dividido por 200 horas).

Conforme a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), para calcular o salário-hora divide-se o salário mensal por 240 horas (30 vezes 8 horas diárias). Os funcionários, porém, alegam que a carga horária deles é menor.

Segundo Magno Mello, presidente do Sindilegis (Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo), a lei 8.112, de 1990, afirma que o cálculo das horas extras dos servidores deve ser feito em cima de uma jornada semanal de 40 horas, e não de 44 horas –que é a jornada prevista na Constituição federal.

A mudança de cálculo para o pagamento das horas extras deve beneficiar mais de 4.000 servidores, entre efetivos e CNEs (cargos de indicações política).

Não há estudos sobre o impacto financeiro da mudança. Segundo a assessoria de imprensa da Casa, nos dois anos da gestão de Arlindo Chinaglia (PT-SP) foram desembolsados cerca de R$ 73 milhões com as horas adicionais dos servidores. Chinaglia vangloriava-se de ter cortado pela metade esses gastos, o que pode não se repetir na gestão de Michel Temer (PMDB-SP).

A intenção do Sindilegis é que o aumento seja retroativo a cinco anos. Magno Mello calcula que o extra a ser pago para todo o período seria de R$ 40 milhões, mas julga que o valor teria impacto pequeno no orçamento da Casa –R$ 3,5 bilhões.

O diretor-geral da Casa, Sérgio Sampaio, confirma a tentativa de mudança, mas se nega a pagar o retroativo: “De fato não temos como negar [o reajuste], mas aqui ninguém está falando em retroatividade”.

Já o primeiro-secretário, deputado Rafael Guerra (PSDB-MG), disse que a mudança está encaminhada e que ela será analisada depois do Carnaval: “Se tiver tudo dentro da lei e se for uma retificação legal e justa, vamos executar”. Além de Guerra, os demais integrantes da Mesa da Câmara devem ratificar a decisão.

Os servidores da Casa recebem hora extra a partir das 19h, sobre no máximo duas horas a mais trabalhadas por dia. Sampaio diz que, dependendo do setor, é permitida a compensação: se alguém trabalhou até as 23h numa quarta, ele recebe por duas horas a mais trabalhadas no dia e as outras duas são transferidas para uma sexta.

Folha

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Coligações em São Bento e Paulista descumprem decisão e entram na mira do MPE

O Ministério Público Eleitoral ajuizou duas representações contra coligações e candidatos dos municípios de São Bento e Paulista pela realização de eventos de campanha com aglomerações, em descumprimento de decisão…

Caminhão de verdura derruba muro de prédio, no Alto Branco, em CG

Um caminhão carregado de verdura derrubou o muro de um edifício, localizado na Rua Vereador Benedito Motta, no bairro do Alto Branco, em Campina Grande, na tarde desta quarta-feira (28),…