O Superior Tribunal de Justiça, em despacho realizado pela ministra Laurita Vaz, sinalizou que deve se posicionar pela liberdade dos acusados na Operação Calvário – que investiga um desvio de R$ 134 milhões por meio de Organizações Sociais na Paraíba –, isso porque houve uma interrupção da atividade ilícita, com o aparente desmantelamento da Organização Criminosa apontada como responsável pelos desvios.

Assim, fica esvaziada a necessidade da prisão cautelar. Em outras palavras, em observância ao binômio proporcionalidade e adequação, tem por desnecessária a custódia extrema no momento.

“As medidas cautelares diversas da prisão são suficientes para assegurar a ordem pública e evitar a continuidade da organização criminosa, se é que ainda subsiste”, registrou a ministra em seu voto.

Desta forma, afirmou a ministra, que teve o voto divergente vitorioso, que o risco de influência em relação aos demais investigados já se enfraqueceu, tendo em vista a busca e apreensão também determinada no mesmo ato judicial.

O posicionamento da ministra coloca a gestão João Azevêdo em um novo patamar, ratificando a lisura da atual administração, com a ausência de contratos com as OSs, e a adoção de medidas necessárias para a continuidade do serviço público.

 

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Bancada federal da PB desmente que tenham rejeitado destinar recursos para combate ao coronavírus

Por meio de uma nota a bancada federal da Paraíba desmentiu uma fake news sobre votação de destinação de recursos eleitorais. Segundo a informação divulgada, os deputados teriam sido contra…

Cícero Lucena troca PSDB de Cássio por PP de Aguinaldo Ribeiro

Uma das novidades no último dia para filiação partidária, neste sábado (04), foi a filiação do ex-senador Cícero Lucena aos quadros do Progressistas na Paraíba. O caboclinho, como é conhecido,…