Por pbagora.com.br
O prefeito Bruno Cunha Lima intermediou, por meio de videoconferência, no início da semana, uma reunião do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, com o presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Jonas Donizete; o futuro presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Edvaldo Nogueira (prefeito de Aracaju-SE) e o presidente do Consórcio Nacional de Municípios – Conectar, Gean Loureiro (prefeito de Florianópolis). Uma ampla pauta tratou da unificação da política pública de combate à Covid-19, consórcio de vacinas dos Municípios e unificação de protocolos em nível nacional.
 
O Conectar, com mais de dois mil municípios e que tem como meta a compra de vacinas, remédios e de insumos para a prevenção e tratamento da pandemia do novo coronavírus foi um dos pontos principais. 
 
“A nossa intenção é cooperar e de nunca entrar em conflito com o Plano Nacional de Imunização”, explicou Bruno, destacando que a meta é acelerar a vacinação, pois 535 milhões de doses já foram compradas pelo Ministério da Saúde e, nos próximos meses, serão enviadas aos estados e municípios. 
 
O prefeito também reforçou a importância de questões como o fornecimento de oxigênio e de medicamentos, pois a meta é fazer com que estes recursos não faltem nos municípios brasileiros. 
 
Unidade nas ações 
 
Na visão de Bruno, o momento é de unificar ações, dentro de uma percepção nacional, do protocolo de atendimento clínico e hospitalar, levando-se em conta também a realidade dos municípios e permitindo uma assertividade na missão de salvar vidas no combate a covid-19. “É preciso padronizar a atividade naquilo que nos une”, ressaltou. 
 
Por fim, Bruno Cunha Lima apresentou ao ministro da Saúde algumas demandas importantes, como a distribuição de insumos e o abastecimento de oxigênio, além de reafirmar a intenção do governo municipal de somar esforços com o Governo Federal 
 
Nova Secretaria Covid 
 
Por sua vez, Marcelo Queiroga detalhou aos participantes da videoconferência a criação da Secretaria Especial de Combate à covid. Bruno e os participantes aplaudiram a proposta, acreditando que o ministro paraibano já começa bem sua gestão em plena crise ao focar nos pontos centrais no combate à pandemia.

Notícias relacionadas

Opinião: Lava Jato só serviu para pôr a extrema-direita no Poder e quebrar o Brasil

Para melhor avaliar o estrago que foi a Lava Jato, basta que se observe o que era o Brasil antes e depois de instituída esta Operação. Tanto do ponto de…

Estados liderados por bolsonaristas encabeçam mortes por covid-19; veja posição da Paraíba

Um estudo feito pela unidade de inteligência do portal Congresso em Foco mostra que os estados que mais votaram em Jair Bolsonaro no primeiro turno das eleições presidenciais de 2018…