Pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta sexta-feira (20) aponta queda de nove pontos percentuais na avaliação positiva do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, passando de 73% em dezembro para 64% agora. São 10% os que consideram o governo “ruim” ou “péssimo”. Em dezembro, eram 6%.

A aprovação à maneira como o presidente governa recuou seis pontos percentuais, de 84% para 78%, mesma queda observada em relação à confiança da população no presidente. A popularidade presidencial havia atingido nível recorde na rodada passada da pesquisa CNI/Ibope (de dezembro). A desaprovação cresceu cinco pontos percentuais, passando de 14% para 19%.

Lula, que participa nesta sexta (20) de Encontro Empresarial Brasil-Argentina, na Fiesp, em São Paulo, recusou-se a comentar as pesquisas e falou somente sobre a crise. “Repito: a crise não nos atingiu com a mesma força que nos Estados Unidos e Japão. Não crescemos o tanto que podíamos, mas foi melhor que em outros países”, afirmou a uma plateia de empresários.

Pela primeira vez no intervalo de um ano, a percepção positiva dos brasileiros sobre o ano em andamento fica abaixo de 80%. Para 74%, o ano de 2009 está sendo “muito bom” ou “bom”, contra 83% na pesquisa de dezembro. Enquanto isso, 25% acham que o ano está sendo “ruim” ou “muito ruim”, contra 17% do levantamento anterior.

Desemprego e expectativas
A crise é o tema mais lembrado espontaneamente pelos entrevistados. Em dezembro, 62% avaliavam como “ótima” ou “boa” a atuação do governo. O percentual recuou 15 pontos e está, agora, em 47%.

O desemprego é o aspecto que mais preocupa os brasileiros, enquanto as perspectivas em relação à inflação e à renda permanecem nos mesmos patamares da pesquisa anterior.

 

Para 68% da população, o desemprego “aumentará muito” ou “aumentará”, enquanto 13% apostam num cenário mais otimista. Há três meses, 63% acreditavam no aumento e 15% projetavam redução no desemprego.

Subiu de 29% para 37% o percentual dos que afirmam já sentir os efeitos da crise em seu dia-a-dia. Menos pessoas acreditam que a crise será superada ainda este ano, de 51% para 32%, que pensavam assim há três meses.

 

Ainda conforme o levantamento, nas faixas de maior escolaridade e renda, a preocupação com a redução de postos de trabalho está acima da média: para 76% dos que possuem ensino superior e, para 75% dos que recebem mais de 10 salários mínimos por mês, o desemprego vai aumentar ou vai aumentar muito nos próximos seis meses.

O Instituto Datafolha também apontou nesta sexta queda da aprovação do governo como reflexo da piora da crise econômica mundial, em cinco pontos percentuais. O percentual de brasileiros que tomaram conhecimento da crise subiu de 72% para 81%.

O Ibope ouviu, a pedido da Confederação Nacional da Indústria, 2.002 pessoas entre os dias 11 e 15 de março, em 144 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Aprovação anterior estava em nível recorde
Na última pesquisa, realizada em dezembro de 2008, a aprovação do governo havia batido recorde, com a melhor avaliação desde que a pesquisa começou a ser feita. De acordo com aquele levantamento, 73% avaliaram o governo como ótimo ou bom em dezembro, contra 20% como regular. Outros 6% como ruim ou péssimo.

O recorde anterior foi obtido por Lula mesmo em setembro, com 69% de avaliação positiva. Antes disso, o recorde era de setembro de 1986, quando o governo do então presidente José Sarney recebeu 77% de avaliação positiva.

A avaliação pessoal do presidente também havia obtido novo recorde, com 84% em dezembro e 14% de desaprovação. Outros 2% não responderam ou não opinaram.

 

UOL

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Deputada estadual exonera assessor acusado de assédio

A deputada estadual Doutora Paula (PP) exonerou um de seus assessores, após ele ser acusado de assédio sexual e de divulgar nas redes um vídeo íntimo da mulher assediada. O…

Carlos Bolsonaro diz que líder do PSL no Senado é “bobo da corte”

O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) compartilhou neste domingo (13) uma mensagem no Twitter na qual classifica como “bobo da corte” o líder do PSL no Senado, Major Olímpio (SP). “Este…