Por Eliabe Castor

O ser humano, ao longo da sua trajetória, expressou e registrou seu dia a dia. Felicidades, amarguras, tensões, amores, traições, fidelidade, pensamentos suicida e outras tantas formas encontradas na Phýsis. Naquilo que pode ser chamada de “gênesis humana”. Algo que está em sua “origem”, condicionando-o a uma dualidade certa: ninguém é totalmente mau ou bom.

Nós somos seres complexos, e isso não há dúvida. Estudos revelam que dentro de nós há uma constante luta entre o “bem” e o “mal”. Essa luta é tão antiga quanto à própria humanidade. E esse embate vem sendo registrado às gerações subsequentes, ao longo de milênios, de forma oral ou escrita.

E aqui chego ao ponto nevrálgico da coluna de hoje. A carta da ex-secretária de Administração da Paraíba, Livânia Farias, expondo suas dores morais e o relato sobre a “angústia após se tornar alvo do Ministério Público”.

Todo o seu lamento foi endereçado a familiares e amigos da ex-secretária, e não se sabe como, “interceptado” pela jornalista Mariana Carneiro, e publicado na coluna “Painel” deste domingo (12), na Folha de São Paulo.

A ex-secretária surge, a julgar pelo que foi narrado pela colunista da Folha, como vítima. Alguém injustiçado; estando sendo queimado pelo fogo de uma Santa Inquisição falsa e julgamento prévio e sem direito ao contraditório.

Diz supostamente a secretária, em um dos trechos relatados na coluna “Painel”, e “codificada” por Mariana Carneiro. “Nas cartas, ela reclama do que considerou ser perseguição e espetacularização do caso pelos procuradores do estado”.

E em gesto de desespero, “faz planos para o próprio funeral. Farias diz que a pressão sobre a família é tanta que os filhos não podem sair de casa”. Mais à frente, relata a colunista que a ex-gestora enviou carta ao ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), também implicado na Operação Calvário.

“Uma das missivas foi para Ricardo Coutinho. Ela agradece ao ex-governador pela confiança e diz que o tinha como espelho no trabalho no governo. Mas alega que o fardo da ofensiva do MP é pesado. Meses depois, a ex-secretária delatou o antigo chefe. Farias revelou suposto pagamento de R$ 4 milhões em propina ao político”.

E nesse folhetim envolvendo delações, áudios gravados, escutas telefônicas, vazamento de informações para a imprensa e outras “alegorias” fica a constatação: Livânia Farias, passado o choque da prisão, preferiu a delação a seu próprio funeral.

Certamente conversou com amigos, familiares e, principalmente, com seus advogados, seguindo a certeza que “ninguém é totalmente mau ou bom”.

E se realmente o pensamento suicida ocorreu, a ex-gestora agiu da melhor forma, afinal, levar a culpa para a sepultura, deixando muitos supostos envolvidos com o “esquema” soltos e com vida, seria algo para um “mártir” às avessas. E isso é ilógico!

Eliabe Castor
PB Agora

Por Eliabe Castor

Notícias relacionadas

Cícero diz que não recebeu planejamento ou identificação de áreas alagadas de JP

Durante entrevista à Rádio Arapuan FM, o prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena (Progressistas) detalhou a força-tarefa que está sendo realizada por secretarias para dirimir os efeitos das fortes chuvas…

Após protesto de músicos, PMJP reafirma importância do cumprimento do decreto

Após protesto realizado por músicos na frente do Centro Administrativo Municipal de João Pessoa, ontem (25), contra os novos decretos estabelecidos pela Prefeitura da Capital e Governo do Estado, a…