Por pbagora.com.br

O brasileiro costuma afirmar que o ano só começa após o carnaval. Essa afirmação momesca, no entanto, reside no imaginário coletivo do povo brasileiro, mas, de fato, um novo ciclo é iniciado em primeiro de janeiro, e tal afirmação não merece contestação. E fato e ponto final.

E seguindo a lógica do tempo, a Assembleia Legislativa da Paraíba retomará seus trabalhos no dia quatro de fevereiro, estando em pauta no regime de urgência dois projetos de Lei de suma importância para a saúde financeira paraibana: a criação da Fundação PB Saúde, que visa absorver as demandas das Organizações Sociais na rede publica hospitalar e a reforma da Previdência do Estado.

Importante lembrar que essa reforma é uma imposição do Governo Federal. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) prevê, conforme o texto dos documentos, a exclusão de pagamento de benefícios como licença-maternidade, salário família, auxílio-reclusão e licença para tratamento de saúde, além do aumento na alíquota de contribuição para a previdência de 11% para 14% dos salários.

Contudo, o texto original deve receber emendas e ficar mais brando. Para o governador João Azevêdo (sem partido) ou a Paraíba realiza a reforma, ou será penalizada pela União.

No recheio do bolo, ficou acordado que idade, salário família, auxílio reclusão e licença para tratamento de saúde não serão mais pagos pela PBPrev e passarão para o órgão em que os funcionários respondem. A alíquota de contribuição previdenciária passará de 11% para 14%. Mas esses percentuais podem ser modificados a partir do diálogo envolvendo o poder Executivo e Legislativo.

Mas antes que todas as questões sejam equacionadas é preciso entender a imposição do Planalto. Ou a Paraíba se submete, como os demais estados da Federação à reforma, ou seu Certificado de Regularidade Previdenciária será anulado.

Isso quer dizer tal Certificado serve como garantia para o estado continuar recebendo recursos do Governo Federal. Em resumo: João Azevêdo não tem muitas opções, a menos que descumpra as exigências do governo Bolsonaro e o estado quebre. E isso nem ele, muito menos os paraibanos desejam.

Eliabe Castor
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

RC não participa de debate nesta quinta e fará live no mesmo horário

O ex-governador e agora pré-candidato do PSB na disputa eleitoral pela Prefeitura de João Pessoa, Ricardo Coutinho, não participará do primeiro debate entre candidatos da disputa que será realizado nesta…

RC pede ao STF relaxamento das medidas restritivas

O ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), que lançou seu nome como pré-candidato à PMJP na noite dessa quarta-feira (16), pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) um relaxamento das medidas restritivas impostas…