NA CÂMARA: líder do PP Aguinaldo Ribeiro defende entendimento para partilha dos royalties do petróleo
 

O líder do PP na Câmara Federal, o deputado Aguinaldo Ribeiro (PB), mostrou-se favorável a um entendimento para que a partilha dos royalties (percentual destinado por parte do Governo Federal aos estados produtores de petróleo) ocorra de uma maneira consensual no Congresso Nacional.
 

No entendimento de Aguinaldo, a Paraíba como Estado não produtor se junta a outro vinte três Estados da Federação para participar da divisão de mais de R$ 8 bilhões e que tais recursos serão fundamentais para o desenvolvimento da economia paraibana.
 

“Sem dúvida nenhuma será uma revolução e uma grande ajuda que os municípios e a Paraíba, que irá receber não só através dos royalties, como da partilha da participação especial que virá da exploração e do próprio Pré-Sal que terá uma distribuição para nosso Estado”, pontuou Ribeiro.
 

Aguinaldo revelou que mesmo com a resistência por parte do Rio de Janeiro (maior beneficiado com os recursos) ser possível um acordo entre os lideres partidários e o Governo Federal.
 

“O Governo Federal sinaliza com esse entendimento e estamos marcando um compromisso de todos os lideres de bancada de votarmos no dia 26 de outubro o veto que poder derrubar essa condição atual e dividir os recursos com os vinte quatro Estados toda essa arrecadação. Está se tentando o acordo e se não houver o acordo votaremos o veto para modificar essa realidade”, explicou.
 

Os royalties do petróleo, que são o percentual calculado sobre a produção que as companhias que exploram o óleo pagam à União, estados e municípios, são definidos pela atual legislação do petróleo como forma de compensar o uso de um recurso natural que é caro, escasso e não-renovável. A atual forma de compensação do poder público está em vigor desde 1998.

Pela lei vigente, os royalties são pagos em todos os campos de petróleo, com alíquotas que variam de 5% a 10%, dependendo da dificuldade enfrentada pela empresa que explora determinada área. Além dos royalties, existe também uma compensação chamada "participação especial", paga em áreas com alto potencial de produção e rentabilidade.
 

No entendimento do líder do PP na Câmara Federal, a divisão dos royalties entre os Estados produtores e não produtores de petróleo precisam ser estabelecidos de uma maneira igualitária.

 

Assessoria
 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Análise: prefeita do Conde faz pacto com “Drácula” e contrata empresas investigadas pela Calvário

O Calvário é mencionado em todos os quatro evangelhos quando relatam a crucificação de Jesus. Mas não é esse episódio bíblico que vou tecer comentários. O Gólgota em discussão está…

2020: Ana Cláudia diz que CG precisa ouvir povo para formular projeto coletivo

A secretária de Articulação Municipal do Governo do Estado, Ana Cláudia Vital do Rêgo (Podemos), um dos nomes citados do grupo da oposição para as eleições municipais de 2020, se…