A semana foi bastante movimentada nos cenários político e policial na Paraíba. Operações realizadas pelo Ministério Público e pela Polícia Federal levaram à prisão o ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), a deputada estadual Estela Bezerra (PSB), o prefeito de Uiraúna, João Bosco Nonato Fernandes (PSDB), a prefeita de Conde, Márcia Lucena (PSB), além de auxiliares da gestão estadual e cumpriram ainda ordem de afastamento do cargo do deputado Wilson Santiago (PTB).

Os investigados são alvos das Operações Calvário, que aponta irregularidades em contratos estabelecidos com Organizações Sociais (OS’s), e a Pés de Barro, que investiga suposto pagamento de propina em licitações realizadas pela Prefeitura Municipal de Uiraúna.

Operação Calvário

Na última terça-feira (17), a Polícia Federal recebeu do STF, com base em decisão do ministro Celso de Melo, a ordem de cumprimento de 17 mandados de prisão preventiva no âmbito da 7ª fase da Operação Calvário. Entre os alvos estavam o ex-governador Ricardo Coutinho, a deputada estadual Estela Bezerra, a prefeita de Conde, Márcia Lucena, a secretária de Saúde, Cláudia Veras, o ex-secretário de Estado, Waldson Souza, o irmão do ex-governador, Coriolano Coutinho, Arthur Viana e Francisco Ferreira. A deputada Cida Ramos foi alvo de mandado de busca e apreensão.

Ricardo só foi detido na madrugada da sexta-feira (19), após desembarcar em Natal/RN, ao retornar de viagem ao exterior. Já a ex-secretária Cláudia Veras não se apresentou à polícia e aguardou o julgamento do pedido de habeas corpus feito por sua defesa ao STJ.

Todos os investigados detidos foram levados à audiência de custódia. A deputada Estela Bezerra e a prefeita de Conde, Márcia Lucena, foram encaminhadas à Penitenciária Feminina Júlia Maranhão, em Mangabeira, para o cumprimento do mandado de prisão preventiva. Ricardo Coutinho e seu irmão, Coriolano Coutinho se dirigiram a Penitenciária Média, também em Mangabeira. A deputada Estela Bezerra teve seu habeas corpus concedido no mesmo dia e deixou a prisão, os demais foram postos em liberdade neste sábado, após habeas corpus concedido pelo STJ.

Operação Pés de Barro

A Operação Pés de Barro, também executada pela Polícia Federal, teria o objetivo de desarticular organização criminosa que fazia pagamentos ilícitos e superfaturava obras no sertão da Paraíba. A investigação tem relação com desvios de dinheiro público na construção da Adutora Capivara, também no Sertão paraibano. A ação deu destaque ao afastamento do deputado federal Wilson Santiago. Ele teve sua residência e seu gabinete, na Câmara Federal alvos de mandados de busca e apreensão.

Os agentes da Polícia Federal cumpriram quatro mandados de prisão, 7 de afastamentos de função e 13 mandados de busca e apreensão nas cidades de João Pessoa-PB, Brasília-DF, Uiraúna-PB e São João do Rio do Peixe-PB.

A PF prendeu nas primeiras horas da manhã do sábado o prefeito de Uiraúna, João Bosco Nonato Fernandes e seu motorista, Batista do Nascimento Neto, além dos assessores do deputado Wilson Santiago, Evani Ramalho e Israel Nunes de Lima. Estes continuam detidos.

 

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Bancada da PB desmente fake sobre rejeitar destinar recursos para combater Covid-19

Por meio de uma nota a bancada federal da Paraíba desmentiu uma fake news sobre votação de destinação de recursos eleitorais. Segundo a informação divulgada, os deputados teriam sido contra…

Bolsonaro deve demitir Mandetta ainda nesta segunda-feira, diz O Globo

A demissão do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, foi confirmada ao jornal O Globo por auxiliares do presidente da República, Jair Bolsonaro. O texto foi publicado pelo jornal na…