Por pbagora.com.br

A empresa aérea contratada para transportar cerca de 750 quilos de cocaína, encontradas a partir de uma ação policial em Catolé do Rocha na Paraíba, se pronunciou sobre o caso. Em uma nota em suas redes sociais, publicada na noite desta quarta-feira (9), a NHR Táxi Aéreo informou que não tem nenhuma ligação com o material encontrado.

A empresa informou que foi contratada para transportar peças automotivas e também duas pessoas. O material chegou lacrado e os trâmites contratuais estavam dentro da normalidade, de acordo com a empresa, que disse ser tão vítima quando a sociedade.

O caso

A Polícia Militar interceptou uma aeronave com uma carga de cocaína avaliada em aproximadamente 30 milhões de reais, no começo da tarde desta quarta-feira (9), no aeródromo da cidade de Catolé do Rocha, que fica no Sertão da Paraíba. O entorpecente, que pesava 752 quilos, estava distribuído em trinta e duas caixas. Esta foi a maior apreensão de drogas no Estado, este ano. Quatro suspeitos que estavam na aeronave foram presos em flagrante. Um deles tem 57 anos e é do Rio de Janeiro; O segundo tem 42 anos é de São Paulo; O terceiro tem 32 anos e também é de São Paulo; O quarto preso tem 30 anos e é do Estado de Minas Gerais. Os acusados revelaram que a droga foi trazida da Bahia, mas não quiseram adiantar detalhes sobre o destino do entorpecente.

Veja a nota na íntegra:

https://www.instagram.com/p/CImAYTJp6FT/?utm_source=ig_embed

A empresa NHR TÁXI AÉREO é uma empresa idônea que atua no ramo de táxi e fretamento aéreo há mais de 20 anos, transportando cargas e pessoas.

Na data de ontem, 8 de dezembro, foi contratada para fretamento de caixas contendo, em tese, peças automotivas. Assim, estava apenas realizando serviço para o qual foi contratada: transportar mercadoria, que estava acondicionado em caixas lacradas, acompanhadas de duas pessoas.

Dessa forma, a empresa NHR esclarece que não tem qualquer relação com a droga encontrada no interior de sua aeronave, bem como não tinha ciência alguma de que transportava produtos ilícitos, sendo tão vítima quanto a coletividade.

Toda a contratação foi feita dentro da normalidade de qualquer ato comercial, não havendo qualquer motivo para associar a empresa e seus pilotos ao ilícito praticado.

Redação

Notícias relacionadas

Vítima de cárcere privado é resgatada pela polícia na PB

Uma mulher e uma criança de quatro anos de idade foram resgatadas durante ação da  Polícia Civil, na noite dessa terça-feira (26), no bairro de Gramame, em João Pessoa. As duas…

Polícia prende jovem acusado de roubo no Litoral Sul

Mais um acusado de roubo foi preso pela Polícia Militar, nas primeiras horas desta quarta-feira (27), na região do Litoral Sul do estado. Dessa vez, a prisão aconteceu em Caaporã,…