A Paraíba o tempo todo  |

“Somos vítimas”, diz empresa de táxi aéreo sobre apreensão de cocaína

A empresa aérea contratada para transportar cerca de 750 quilos de cocaína, encontradas a partir de uma ação policial em Catolé do Rocha na Paraíba, se pronunciou sobre o caso. Em uma nota em suas redes sociais, publicada na noite desta quarta-feira (9), a NHR Táxi Aéreo informou que não tem nenhuma ligação com o material encontrado.

A empresa informou que foi contratada para transportar peças automotivas e também duas pessoas. O material chegou lacrado e os trâmites contratuais estavam dentro da normalidade, de acordo com a empresa, que disse ser tão vítima quando a sociedade.

O caso

A Polícia Militar interceptou uma aeronave com uma carga de cocaína avaliada em aproximadamente 30 milhões de reais, no começo da tarde desta quarta-feira (9), no aeródromo da cidade de Catolé do Rocha, que fica no Sertão da Paraíba. O entorpecente, que pesava 752 quilos, estava distribuído em trinta e duas caixas. Esta foi a maior apreensão de drogas no Estado, este ano. Quatro suspeitos que estavam na aeronave foram presos em flagrante. Um deles tem 57 anos e é do Rio de Janeiro; O segundo tem 42 anos é de São Paulo; O terceiro tem 32 anos e também é de São Paulo; O quarto preso tem 30 anos e é do Estado de Minas Gerais. Os acusados revelaram que a droga foi trazida da Bahia, mas não quiseram adiantar detalhes sobre o destino do entorpecente.

Veja a nota na íntegra:

https://www.instagram.com/p/CImAYTJp6FT/?utm_source=ig_embed

A empresa NHR TÁXI AÉREO é uma empresa idônea que atua no ramo de táxi e fretamento aéreo há mais de 20 anos, transportando cargas e pessoas.

Na data de ontem, 8 de dezembro, foi contratada para fretamento de caixas contendo, em tese, peças automotivas. Assim, estava apenas realizando serviço para o qual foi contratada: transportar mercadoria, que estava acondicionado em caixas lacradas, acompanhadas de duas pessoas.

Dessa forma, a empresa NHR esclarece que não tem qualquer relação com a droga encontrada no interior de sua aeronave, bem como não tinha ciência alguma de que transportava produtos ilícitos, sendo tão vítima quanto a coletividade.

Toda a contratação foi feita dentro da normalidade de qualquer ato comercial, não havendo qualquer motivo para associar a empresa e seus pilotos ao ilícito praticado.

Redação

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      1
      Compartilhe