A secretária de Educação de Campina Grande, que foi afastada do cargo por decisão judicial, Iolanda Barbosa, teve a prisão temporária revertida em prisão domiciliar e já está em casa desde esse sábado (27). A ex-gestora havia sido levada para o presídio feminino, em Campina Grande. Lá, como não havia cela especial disponível, Iolanda teve que ficar em uma cela comum, apesar de ter ensino superior.

O juiz federal Rogério Abreu, que está substituindo o desembargador Rogério Fialho, do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, em Recife, foi quem entendeu que a manutenção da prisão de Iolanda em cela comum não era cabível. A decisão que beneficiou a ex-secretária é semelhante a que mandou para prisão domiciliar a pregoeira da prefeitura, Gabriela Pontes.

A ex-auxiliar da gestão Romero é suspeita de participação em um suposto esquema de desvio de recursos federais destinado à compra da merenda escolar, na cidade, que veio à tona com a eclosão da Operação Famintos, desencadeada pela Polícia Federal.

Segundo a investigação, desde 2013 ocorreram contratos sucessivos, que atingiram um montante pago de R$ 25 milhões.

 

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Polícia prende homem com quatro mandados de prisão em aberto, em Guarabira

Policiais Civis da 8ª DSPC (Delegacia Seccional de Polícia Civil) em Guarabira, com o apoio de Policiais Militares do 4°BPM, prenderam um homem suspeito de praticar roubos, arrombamentos e utilizar…

João sanciona Lei de combate à violência contra mulheres e crianças na pandemia

Uma nova lei na Paraíba determina a adoção de medidas para a proteção social e ao enfrentamento à violência contra mulheres e crianças, durante o isolamento social na pandemia de…