O Ministério Público da Paraíba ajuizou uma ação civil pública contra a Prefeitura de Mamanguape para que a Justiça determine a reestruturação da ocupação dos cargos comissionados, no Município. A Promotoria de Justiça apurou que estão sendo contratados servidores em comissão para o exercício de funções que deveriam ser ocupadas por concursados. Assim, requereu a exoneração dos contratados irregularmente e que mais de 50% dos cargos comissionados sejam destinados aos servidores efetivos, atendendo ao critério legal.

A ACP sob o número 0800639-16.2019.8.15.0231, protocolada na última segunda-feira (22/04), foi ajuizada pela promotora de Mamanguape, Carmem Eleonora da Silva Perazzo, em face da prefeita Maria Eunice do Nascimento Pessoa. De acordo com a promotora, o Inquérito Civil Público 071.2018.002460 aponta, que no final do exercício de 2018, a Prefeitura de Mamanguape foi instada a se pronunciar e regularizar a situação dos 832 cargos comissionados existentes no Município, de modo que fossem criados e ocupados para funções de direção, chefia ou assessoramento. Mas as nomeações de ocupantes dos cargos aumentaram de 161 (janeiro de 2018) para 228 (fevereiro de 2019).

“A Lei Municipal 583/09, em seu artigo 4º, aduz que 'todos os cargos em comissão são de livre nomeação e designação do poder Executivo Municipal', não existindo no Município de Mamanguape a reserva legal para que ocupantes de cargos efetivos também pudessem exercer cargos comissionados, ou seja, todos os 218 nomeados para ocupar cargos em comissão são de livre nomeação e exoneração do chefe do Executivo. A exigência de percentual mínimo de preenchimento de cargos comissionados por servidores efetivos está em consonância com o artigo 37, V, da Constituição da República que determina a fixação de um percentual mínimo para fins de preenchimento dos cargos comissionados por servidores de carreira”, diz a promotora em trecho da ACP.

A representante do MPPB destaca ainda que os cargos comissionados devem ser estritamente para funções de direção, chefia ou assessoramento e que representam uma exceção à regra do concurso público. “As atividades descritas para os cargos impugnados (assessor especial níveis I e II, coordenadores níveis I e II, gerente de farmácia popular, tesoureiro, administrador regional) nada têm de assessoramento, direção ou chefia. Revelam-se, antes, tipicamente de execução técnica, operacional ou meramente burocrática. Ademais, as leis que criaram esses cargos, em momento algum, informam as suas atribuições, deixando solto o livre arbítrio de se nomear qualquer pessoa para apenas preencher as vagas”.

Diante disso, a Promotoria de Mamanguape requereu que a Justiça conceda a tutela de evidência sem a oitiva da parte contrária, declarando incidentalmente a inconstitucionalidade de dispositivos das leis 813/2013, 589/2009 e 655/2011, que criaram os cargos e deram outras providências. Como consequência, também requereu a fixação do prazo de até 180 dias para a exoneração dos servidores públicos municipais que ocupem os cargos; que seja fixado prazo para que o Município de Mamanguape estabeleça um percentual proporcional para o preenchimento dos cargos comissionados (de 50 ou 60% do total) por servidores efetivos; que determine o pagamento de multa diária de R$ 10 mil, em caso de descumprimento da ordem judicial. A promotora também pediu prioridade de tramitação à ACP.

PB Agora com MPPB

 


Saiba mais sobre Certificação Digital no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas Certificação Digital. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Procon/CG conclui ação em alusão aos 29 anos do Código de Defesa do Consumidor

Cerca de 150 pessoas passaram pelo “Procon na Praça”, atividade que comemorou os 29 anos de existência do Código de Defesa do Consumidor (CDC). A ação, organizada pelo Procon de…

TCE manda ex-prefeito de Cacimba de Dentro devolver quase R$ 200 mil

Contratação da empresa SERVLIMP foi realizada no ano de 2015, mas a decisão foi publicada apenas este ano O Tribunal de Contas do Estado da Paraíba julgou irregular a dispensa…