Em reunião realizada na noite desta sexta-feira, 26, na sede do Ministério Público Federal, no bairro do Catolé, a Prefeitura Municipal de Campina Grande obteve da Procuradoria Geral da República na cidade e da Controladoria Geral da União (CGU) apoio para que, emergencialmente, sejam adotadas medidas que assegurem a continuidade do fornecimento de gêneros alimentícios para a rede municipal de ensino.

Basicamente, serão usados instrumentos legais para atender a situação excepcional, no prazo de até 90 dias, após a suspensão dos contratos vigentes relativos ao Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae). Também ficou acordado que, nesse período, o poder público municipal tomará providências para que seja realizado um novo processo licitatório, para aquisição dos alimentos, através de um prazo contratual mais extenso.

“O mais importante é sairmos da reunião com as condições legais para realizar um procedimento emergencial que permita à Prefeitura não interromper o fornecimento da merenda para mais de 160 unidades de ensino, entre escolas e creches municipais – destacou o procurador geral do Município, José Fernandes Mariz. Da audiência, participaram também os secretários Diogo Flávio Lyra Batista (Planejamento) e Gildo Silveira (interino da Educação), além do procurador jurídico da Seduc, Rodolfo Gaudêncio Bezerra.

Medidas de compliance

Segundo o secretário Diogo Flávio, graças ao entendimento institucional mantido, o risco de suspensão temporária da merenda escolar no município de Campina Grande foi afastado. Destacou, também, que já integra o pacote de decisões do prefeito Romero Rodrigues uma série de medidas de compliance, dentre as quais a criação de uma Controladoria Geral do Município, a curto prazo.

Pelo MPF, esteve à mesa de reunião a procuradora Acácia Soares Peixoto Suassuna, enquanto que representando a Controladoria Geral da União (CGU),participou da audiência o superintendente Gabriel Wright

De comum acordo, a Prefeitura e os órgãos de controle externo definiram que, tanto os procedimentos administrativos emergenciais, como a nova licitação para aquisição permanente de gêneros alimentícios da merenda escolar observarão os princípios constitucionais da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência nos processos de concorrência na contratação de empresas fornecedoras, fazendo uso inclusive de pesquisa de preços de acordo com os parâmetros do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE) e a realidade do mercado local.

PB Agora

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Análise: Seria a paralisação dos motoristas de transportes coletivos da Capital um locaute disfarçado?

Não podemos afirmar, de forma categórica, mas esta paralisação do setor de transportes públicos, em João Pessoa, tem contornos de locaute disfarçado ou seja: com apoio de entidade representativa dos…

“Mais do que merecidas”, diz Wilson Filho ao parabenizar Adriano Galdino por honrarias

O deputado estadual Wilson Filho (PTB), líder do Blocão na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), parabenizou o presidente da Casa Epitácio Pessoa, Adriano Galdino (PSB), por receber as honrarias de título…